Na mão do público

Série Defiance mudará de acordo com as reações dos internautas

JOÃO FERNANDO, O Estado de S.Paulo

16 de abril de 2013 | 02h11

Se com as novelas é possível trocar uma ideia sobre a trama com os autores pelas redes sociais, como Gloria Perez faz com seus seguidores no Twitter, na série de ficção científica Defiance, que estreia hoje com episódio especial com duas horas de duração, às 20 h, no canal pago Syfy, quem vai definir o que acontece com os personagens é o público, por meio de um jogo online.

A história da atração - cujo primeiro capítulo também será exibido pelo Universal Channel no mesmo horário - acontece na Terra de 2037, onde sete raças de alienígenas vivem em guerra com os humanos, deixando o planeta tão caótico que a Antártida se tornou uma praia. Enquanto a ação se desenrola na TV, os usuários do jogo homônimo, disponível para os videogames para Playstation 3, XBox e pelo www.defiance.com/en/buy-now/pc/, brincam com personagens da série e outros que ainda estão restritos ao ambiente virtual.

"Os personagens (avatares) que se destacarem no jogo em eventos como batalhas ou missões dadas, como desativar uma bomba, por exemplo, podem ser incorporadas à série na segunda temporada. Além disso, nos estágios iniciais, os jogadores vão ver e interagir com Nolan (protagonista interpretado por Grant Bowler)", explica Ivan Lee, gerente de Marketing e Negócios da Universal Networks International no Brasil.

Como Defiance exige muita computação gráfica, os passos da história na temporada começam a ser definidos enquanto a primeira etapa estiver no ar. No Brasil, a produção será exibida apenas um dia após ir ao ar nos EUA. "Já estamos no processo de dar forma à segunda temporada. Agora que o jogo está em andamento, muitas estão sendo criadas, estamos introduzindo novas fases e missões", conta o produtor Kevin Murphy, que tem em seu currículo sucessos como Desperate Housewives.

A série começa com a chegada de Nolan e de sua filha adotiva Irisa (Stephanie Leonidas), uma extraterrestre, à cidade de Defiance, um dos poucos redutos em que humanos e alienígenas convivem bem. Nômades, os dois costumam roubar peças de naves que caem na Terra para vender e também dão pequenos golpes. Ao serem saqueados por uma gangue de ETs motoqueiros, ficam sem o carro e se refugiam na cidade, protegida por um escudo mantido com tecnologia desenvolvida no local.

Depois de serem atendidos por médicos, pai e filha tentam conseguir dinheiro em Defiance, que Nolan descobre ter sido Saint Louis, sua terra natal, no tempo em que o planeta não havia sido invadido. Em pouco tempo, a cidade fica sob ataque e a prefeita Amanda (Julie Benz), irmã da prostituta mais conhecida do local, pede ajuda do protagonista, um ex-militar para proteger os cidadãos.

Além dos diferentes tipos físicos dos alienígenas, foram criados idiomas próprios para esses personagens. O responsável é David Peterson, o mesmo que inventou a dothraki, língua falada na série Game of Thrones, em exibição na HBO. "Pedimos que criassem não só uma versão falada do castithan (um dos idiomas), mas também uma versão escrita, assim como o indogene e liberata. Existem regras de gramática, sintaxe, verbos irregulares e 150 páginas de ortografia. Ele criou uma cultura dos ETs que nem eu entendi", revela Kevin Murphy.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.