Na despedida, uma celebração

Cada cinema de rua que fecha é o mesmo que uma biblioteca desativada ou uma praça pública depredada - nenhum cinéfilo vai discordar do que diz, no texto abaixo, o cineasta Carlos Reichenbach, que lembra suas experiências no Belas Artes. Para Carlão e seus colegas de geração, o Belas Artes era o "cinema do Bernardo", assim chamado porque seu animador era Bernardo Vorobov, figura essencial da cinefilia de São Paulo. Só um milagre poderá salvar o conjunto de salas que integra a história da cidade - só um milagre ou a vontade política dos governantes de salvaguardar um espaço de reconhecida importância cultural para os paulistanos.

, O Estado de S.Paulo

08 de janeiro de 2011 | 00h00

Convencido de que o fechamento é inevitável, André Sturm prepara o que pretende seja uma grande celebração. Nas duas últimas semanas programadas do Belas Artes - de 14 a 27 -, duas das seis salas vão apresentar ciclos imperdíveis. Um deles vai se chamar Tesouros do Cinema e vai exibir aqueles clássicos que você sabe - Cidadão Kane, de Orson Welles; O Encouraçado Potemkin, de Sergei M. Eisenstein; A Regra do Jogo, de Jean Renoir, etc. O outro, Tesouros do Belas Artes, vai trazer filmes que estrearam nas salas e fazem parte das emoções que os cinéfilos carregam no imaginário por toda a vida - Pai Patrão, dos irmãos Taviani; Ensaio de Orquestra, de Federico Fellini; Johnny Vai à Guerra, de Dalton Trumbo; Possessão, de Andrzej Zulawski, etc.

Sturm acredita que talvez seja possível refundar o Belas Artes em outro local porque ele não é somente um espaço físico - é um clima, um estado de espírito. "As pessoas vêm aqui para se encontrar, conversam após as sessões."

Alain Resnais, um autor de filmes cabeça, está há três anos e meio em cartaz no Belas Artes - onde mais? - com seu filme Medos Privados em Lugares Públicos. Não se trata de um fenômeno isolado - "Closer, Perto Demais, de Mike Nichols, ficou um tempão em cartaz, e Zatoichi, de Takeshi Kitano, que não foi bem em outras salas, aqui lotava. É um público fiel, de amantes de cinema, que eu não gostaria de decepcionar."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.