Na casa do samba

'O novo espetáculo consagra um aspecto marcante do samba: a capacidade de falar de tudo'

Neil Lopes & Samba, O Estado de S.Paulo

28 de agosto de 2010 | 00h00

Visualizem os prezados leitores um luxuoso musical, num moderno e prestigiado palco contemplando em seu repertório alguns dos mais belos sambas dos antigos carnavais, como, por exemplo, A Fonte Secou, Me Deixa em Paz, Tenha Pena de Mim, Tristeza, Se É Pecado Sambar, etc., interpretados por um timaço de talentosos artistas, secundados por uma competente e bem timbrada orquestra.

Por outro lado, imaginem, agora, um desfile de escolas de samba igualmente luxuoso em que se tematizem coisas como a Companhia Vale do Rio Doce, o aquecimento global, o mosquito da dengue, a trajetória do grupo Mamonas Assassinas, o petróleo do pré-sal, etc., etc., etc.

Imaginaram? Visualizaram? Pois saibam que espetáculos não exatamente com os mesmos conteúdos, mas dentro desses dois universos, estão sendo apresentados ou idealizados no amplo universo onde correm sinuosos os diversos propósitos e habilidades do samba, esse ser amplamente diversificado.

O belo e emocionante musical chama-se É Com Esse Que Eu Vou (título de um célebre samba de 1947) e está em cartaz num grande teatro da zona sul carioca.

Idealizado e escrito por Rosa Maria Araújo e Sérgio Cabral, além de dirigido por Cláudio Botelho e Charles Moeller, dupla VIP dos palcos brasileiros, ele veio na esteira do grande sucesso de Sassaricando, uma espécie de antologia da marchinha carnavalesca. Mas se esse era o elogio da picardia e do humor sarcástico dos antigos carnavais, o novo espetáculo consagra um aspecto marcante do samba, que é a capacidade de falar de tudo, inclusive de coisas tristes, mas com molho, balanço e suingue sempre contagiantes. E foi nesse território que se consagraram autores como Wilson Batista, Geraldo Pereira, Zé da Zilda, Monsueto e tantos outros.

Quanto ao estranho desfile mencionado lá em cima, com todos aqueles temas esquisitos, saibam os leitores que muita coisa ali já foi levada para a referencial Avenida Sapucaí; e outros tantos estão ainda por vir, o que motivou um contundente artigo, recentemente publicado na imprensa do Rio, no qual o autor, Luiz Antonio Simas, professor de História, diz sobre a safra de enredos para 2011, o seguinte: "A tendência, cada vez mais irreversível, é pela realização em larga escala de enredos patrocinados ou de fácil apelo popular, versando em grande parte sobre assuntos tão ligados ao universo das escolas de samba quanto uma peregrinação ao Santo Sepulcro" (artigo O besteirol na avenida, O Globo, 14/8/2010).

Diante dessas duas realidades, somos forçados a voltar a uma questão já levantada neste espaço: samba e escola de samba não são a mesma coisa, assim como o gênero-mãe de nossa música popular não é apenas um tipo de música de carnaval.

Pois a atual modalidade conhecida como "escola de samba" nasceu do samba, sim, inclusive como um tipo de movimento associativo que procurava legitimar a participação negra no carnaval. Mas hoje é apenas uma forma de espetáculo, muitas vezes grandiosa e surpreendente, contudo passível também dos descaminhos apontados no artigo do professor Simas.

Em meio a essa reflexão, chega-nos a notícia de que o Iphan, Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional vai instalar, num antigo palacete do centro do Rio, a Casa do Samba, um centro cultural musical.

A notícia é ótima, claro! Mas é preciso pensar no alcance do projeto.

De nossa parte, e fazendo eco ao discurso da "circulação da cultura", próprio da fala do atual governo, achamos que, preliminarmente, é preciso que se saiba qual o samba que vai morar sob o teto do Iphan. Será o da "avenida" ou o dos botecos? Será aquele que os programadores não sabem se colocam no escaninho da MPB ou da bossa nova, só porque compostos por músicos da elite econômica do País? Ou aquele que se reverencia só porque foi feito antes de 1960? Será o dos fundos de quintal e dos antigos terreiros? Ou será esse romântico pop, meio brega, que já seduz até antropólogos famosos?

Quem é do samba, sabe a casa que lhe convém.

NEI LOPES É CANTOR, COMPOSITOR E AUTOR DE LIVROS COMO PARTIDO ALTO - SAMBA DE BAMBA (2005)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.