MySpaceTV assina contrato mundial de distribuição de TV

Uma empresa fundada pela filha deRupert Murdoch ajudará o site de redes sociais MySpace, da NewsCorp., a distribuir programas produzidos para a Web em DVDs ecanais de TV fora dos Estados Unidos, como parte do esforço damaior operadora mundial de redes sociais para encontrar públicofora do computador. A iniciativa é um esforço para distribuir programas como"Quarterlife" ou "Roommates", da MySpaceTV, fora dos EUA, oucriar versões locais desses programas, disse Travis Katz,diretor executivo da divisão internacional da MySpace. A parceria com a ShineReveille, a divisão de distribuiçãodo Shine Group, criado por Elisabeth Murdoch, é uma das jogadasmais ambiciosas da MySpace para ressaltar o papel da MySpacecomo plataforma de mídia, a fim de distingui-la do rivalFacebook, que vem crescendo rapidamente. "A parceria com a ShineReveille nos permitir exportarconteúdo da MySpaceTV a redes locais de TV em todo o mundo,algo que nos era impossível no passado", disse Katz ementrevista por telefone. Na semana passada, o MySpace anunciou um acordo com trêsgrandes gravadoras para criar um serviço online de música queseria visto como rival do iTunes, a popular loja de mídiadigital da Apple . A nova parceria surge em um momento em que a maneira pelaqual programas chegam aos canais de TV vem sendo seriamenterepensada. Uma prolongada greve de roteiristas nos EUA forçou asgrandes empresas de mídia a reconsiderar sua antiga tradição definanciar dispendiosos pilotos que terminam em sua maioriarejeitados. A NBC Universal, do grupo General Electric, chegou aanunciar que seu objetivo é evitar o desenvolvimento depilotos. O acordo da MySpace também suscita questões sobre opotencial de programas desenvolvidos para a Web no que tange aveiculação em TV convencional. A empresa tentou exibir"Quarterlife" na NBC, mas o programa obteve índices medíocresde audiência quando foi lançado, em fevereiro. Ainda que 5,5 milhões de pessoas costumem acompanhar osepisódios no MySpace, na NBC a série só atraiu 3,1 milhões deespectadores, o que o deixou em último lugar no horário entreos programas de TV aberta das redes norte-americanas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.