MV Bill retira documentário do "Fantástico"

O documentário Falcão, osMeninos do Tráfico, que iria ao ar durante o programa Fantástico do próximo domingo, teve a exibição cancelada pordecisão dos diretores, o rapper MV Bill e seu empresário, Celso Athayde. Em reunião com a cúpula da TV Globo na noite dequarta-feira, eles se recusaram a revelar por que optaram pelo cancelamento ? de ?caráter irrevogável?, segundo os dois ?,limitando-se a dizer que o motivo era ?de foro íntimo?.A emissora enviou nota à imprensa hoje à tarde informando que, durante o encontro, o diretor da Central Globo deJornalismo, Carlos Henrique Schroder, e o diretor-executivo de Jornalismo, Ali Kamel, explicaram aos diretores que o prejuízofinanceiro seria muito grande, mas, mesmo diante da insistência deles, os diretores se negaram a dizer por que mudaram deidéia ? foram eles que tiveram a iniciativa de veicular o especial na Globo, segundo a nota.O texto informa que a emissora decidiu não processar os dois por danos materiais e morais ?por entender que a questão nãoé financeira?. Diz ainda que ?a TV Globo não quer ser juiz de ninguém e acredita que as razões dos autores do documentário,que sempre se mostraram engajados na luta por um Brasil melhor, sejam suficientemente fortes para que eles ajam dessamaneira.? A decisão de cancelar a exibição foi tomada dois dias depois do assassinato do traficante Marcio Amaro deOliveira, o Marcinho VP, em Bangu 3. Marcinho havia sido personagem central do livro Abusado, do jornalista CacoBarcellos. Para a polícia, o fato de ele ter revelado segredos do tráfico ao jornalista pode ter causado sua morte. O Estado procurou Bill e Athayde hoje, para questionar se a proibição foi motivada por medo de represálias contra os personagens apresentados no documentário, mas eles não quiseram dar declarações. Divulgado com alarde na programação da TV Globo e em jornais como ?uma nova visão? sobre problemas como o tráfico dedrogas e a violência e considerado pela emissora de grande relevância para solucionar tais questões, o especial foi produzidopela Central Única das Favelas (Cufa), organização da qual os dois fazem parte, e editado durante quatro meses por umaequipe da TV Globo, sob supervisão dos diretores.Por causa da desistência, os originais brutos foram devolvidos pelos editores.O documentário tem 54 minutos e é ambientado em favelas de diferentes Estados brasileiros, que foram visitadas por Bill eAthayde durante dois anos. As imagens mostram garotos recrutados por traficantes, portando armas pesadas e preparandodrogas para venda. As identidades são preservadas para proteção dos retratados. O filme, já assistido por 12 pessoas,entre cineastas, escritores, compositores e atores, mostra quais são as circunstâncias que levam os menores ao crime etem como objetivo contribuir para que eles mudem de vida, diz a Globo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.