Musical revive Cole Porter

Cole Porter - Ele nunca Disse que me Amava - que estréia nessa sexta-feira, no Teatro Alfa - lotou o Arena de Copacabana no Rio, durante nove meses em recente temporada. Um sucesso da dupla Charles Möeller e Claudio Botelho. Há 12 anos eles vêm criam musicais com uma linguagem própria, desde Helo, Gershwin, até Na Bagunça do Teu Coração, inspirado nas músicas de Chico Buarque e Ô Abre-Alas, sobre Chiquinha Gonzaga.A mais recente parceria da dupla, Company, de Stephen Sondheim, acaba de estrear no Rio. O autor dos textos, o norte-americano George Furth, gostou tanto da montagem que planeja transformá-la na montagem-padrão. E já convidou Möeller para dirigir seu próximo musical.Cole Porter conquistou o público não só pela qualidade do trabalho de Möeller - direção, texto, cenário e figurinos - e Botelho - direção musical e versão de algumas canções para o português -, mas também pela talento musical do elenco integrado por seis atrizes/cantoras. A história do músico é contada do ponto de vista das mulheres que com ele conviveram, entre elas sua mãe, sua mulher, sua atriz predileta e uma promotora de eventos."A idéia de contar a história de Cole Porter com atrizes vem de muito tempo. Apesar de ser homossexual radical, ele foi casado durante muitos anos com Linda Lee e despertou o fascínio de mulheres muito importantes em sua carreira", conta Möeller. Cole Porter nasceu em 1891, nos Estados Unidos, filho de pais ricos. Desde criança foi obrigado pela mãe a estudar música. A loucura de sua mãe - ela havia perdido dois filhos antes de Porter, mortos pouco depois de nascidos - fez dele um falso garoto precoce. Como ele era franzino, frágil, miudinho, ela falsificou a certidão de nascimento dele. Era espantoso para todos que um menino de apenas 8 anos tocasse violino e piano como ele, que na verdade já tinha 12 anos. A bem realizada costura dramática entre cenas da vida do cantor e sua canções é uma das qualidades ressaltadas pelos fãs do musical. São 39 canções, desde sucessos como Night and Day, I Get a Kick out of You e Everytime we Say Goodbye até composições praticamente inéditas. A imagem que o público verá em cena é a de um músico genial, um homossexual radical, um homem mentiroso, imerso numa vida de luxo, fama e muitos prazeres. Tudo isso até que a queda de um cavalo provocasse a amputação de uma perna, a conseqüente depressão e morte, no dia 15 de outubro de 1964.Cole Porter - Ele nunca Disse Que me Amava. Musical. Texto e direção Charles Möeller. Direção musical e versão brasileira Claudio Botelho. Duração: 1h40. Sexta e sábado, às 21 horas; domingo, às 18 horas. De R$ 15,00 a R$ 35,00 (sexta e domingo); de R$ 20,00 a R$ 40,00 (sábado).Teatro Alfa. Rua Bento Branco de Andrade Filho, 722, tel. 5693-4000. Até 25/3

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.