Musical da dupla Möeller e Botelho estréia hoje no Rio

A ensolarada "Cidade Maravilhosa" vai ficar gelada, com direito a neve. Sete mulheres misteriosas, uma delas disposta a tudo para reconquistar o amor - até bruxarias -, tomarão o Teatro João Caetano, no Rio de Janeiro, para cantar e dançar destinos traçados por misteriosas cartas e que envolvem perigosos feitiços. Não se trata de nenhuma catástrofe natural, ou de uma manchete de um crime passional. É o espetáculo 7 - O Musical, que estréia hoje no Teatro João Caetano, do Rio.Diferentemente de outras 14 peças da dupla Charles Möeller e Claudio Botelho, que já homenagearam Cole Porter e Burt Bacharach, esta não tem pretensão de narrar a história de nenhuma personalidade, nem de nenhum estilo musical. Partiu despretensiosamente, ?há uns três anos?, de um presente do cantor Ed Motta. ?O Ed Motta assistiu um espetáculo nosso, que ele adorou. Aí um dia ele nos apresentou uns 13, 14 temas que ele compôs, sem letra, só música. Ele achava que esses temas poderiam render um espetáculo musical e mandou o material pra gente?, relata Möeller. A surpresa entre Möeller e Botelho foi imediata. ?Era um outro Ed Motta, totalmente diferente daquele artista pop, era um Ed Motta de teatro. Ficamos muito empolgados e há três anos trabalhamos em cima da montagem?, conta o autor.?Era uma música triste, que ao mesmo tempo tinha um clima de fábula encantada. E comecei a traçar um perfil noturno, de uma história triste?, comenta.EnredoDentro deste contexto, Möeller traçou o roteiro, enquanto Botelho se dedicou a dar letra aos temas de Ed Motta. Foi daí que o primeiro desenhou a trama central - uma narrativa que aborda um universo feminino de inveja, frustrações, desejos e paixões não-correspondidas. O musical conta a história de Amélia, interpretada por Alessandra Maestrini, que perdeu seu grande amor, Herculano, vivido por Raul Veiga, que a trocou por uma moça mais jovem - Bianca (Alessandra Verney). Em conflito com a situação, Amélia segue os conselhos da madrinha Dona Rosa (Elianna Pittman) e decide apostar no futuro traçado por uma cartomante, a Dona Carmen, protagonizada por Zezé Motta.No mundo da cartomancia, Dona Carmen faz Amélia acreditar que ela conseguirá trazer seu marido de volta. Mas impõe a condição de cumprir sete tarefas. Dessas, seis são relativamente fáceis. A última, entretanto, é a mais espinhosa: Amélia deve matar um jovem moço e levar à cartomante um coração jovem e virgem. Ela então se joga nas ruas do Rio em busca da sua vítima. Na primeira ?vitória?, Amélia erra, pois o coração não é puro o suficiente. É neste caso que ela vai parar em um bordel, comandado por Dona Odete, interpretada por Rogéria. Lá, ela conhece Álvaro (Jonas Hammar), que passará com Amélia sua primeira noite de amor. As histórias se complicam, e desafios circunstanciais travam o objetivo final. Em clima de suspense, ao que Möeller atribui um ar de Alfred Hitchcock, mestre do gênero no cinema, 7 - O Musical também traz outras inspirações. É o caso dos irmãos Jacob e Wilhelm, ou os Irmãos Grimm. ?O texto acabou caindo numa coisa do meu universo, que é o dos Irmãos Grimm. E quando isso aconteceu costuramos a fábula da Branca de Neve em paralelo a isso?, diz Möeller. E adianta: ?O desfecho é triste, de um ponto de vista, e de recomeço para um outro lado?.FalasApesar total de 38 canções em pouco mais de duas horas de espetáculo, Möeller avisa que ?é um musical com diálogo, cenas dramáticas e cenas de comédia, com muitas cenas faladas?. O espetáculo 7 - O Musical é mais um daqueles que entra na lista para comprovar o boom do gênero em São Paulo e Rio de Janeiro. Enquanto a primeira cidade aposta em montagens da Broadway, na maioria delas, para atrair o público, caso de O Fantasma da Ópera e de Miss Saigon, o Rio, segundo Möeller, ficou mais conhecido por suas montagens autorais. ?O Rio é celeiro de musicais autorais e São Paulo é celeiro de musicais que vem de fora. Não vejo rixa nenhuma, aliás, acho isso cafona. Os paulistas adoram o Rio e os cariocas adoram São Paulo?, ressalta. Serviço7 - O Musical. Teatro João Caetano. Praça Tiradentes. Temporada: quinta e sexta, às 19h30, sábado, às 20h, e domingo às 18h. Ingressos: de R$ 30 a R$ 50. Informações: (21) 2221-2852.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.