Musical "Babilônia" combina humor e crítica social

Alguns dos melhores e mais premiados espetáculos do Grupo Folias D´Arte, dirigido por Marco Antonio Rodrigues, são musicais que têm em comum uma contundente crítica social levada à cena com boas doses de humor. Essa étambém a linha de Babilônia, uma fábula cujos personagenssão mendigos a caminho de uma cidade imaginária onde, acreditam,existe um povo bom, alegre e digno. O musical estréia amanhãpara o público no Galpão do Folias, a sede do grupo,localizada próxima do metrô Santa Cecília.O diretor optou pela linguagem clownesca em suaconcepção do texto escrito por Reinaldo Maia. Os sete atores doelenco - todos cantam, dançam e tocam diversos instrumentosmusicais - interpretam mendigos/bufões que têm característicasmuito particulares.A personagem Courage, vivida por Bete Morgan foi inspirada na protagonista de Mãe Coragem, de Brecht. "Ela faz negócio com tudo", diz Maia. Bruno Berillo é o professor Galileu. "Ele é um revolucionário sem massa, um poeta sem rima e, no convívio com esses andarilhos, perde a pose desabe-tudo." Todos têm sonhos para realizar em Babilônia,mas a chegada do personagem Keuner provoca um desvio nos rumosda trupe.O desejo de explorar o tema surgiu no momento em que ogrupo abriu sua sede, próxima do Minhocão. "A indigência nãotira a humanidade dessas pessoas que têm sonhos, ambições,defeitos e qualidades."Babilônia. Musical. De Reinaldo Maia. Direção MarcoAntonio Rodrigues. Duração: 1h30. Quinta a sábado, às 21 horas;domingo, às 20 horas. R$ 15,00. Galpão do Folias. Rua Ana Cintra,213, tel. 3361-2223. Até 16/12.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.