Musicais fazem de São Paulo uma verdadeira Broadway

A temporada de estreias traz à cidade montagens de 'Hairspray', 'O Rei e Eu' e 'Cats'

Guilherme Conte e Ilana Lichtenstein, de O Estado de S. Paulo,

26 Fevereiro 2010 | 05h00

A Broadway é aqui. Ok, é só modo de dizer. Mas parece mesmo que a Broadway tem uma ‘filial’ em São Paulo. Em menos de uma semana, três grandes espetáculos musicais da famosa avenida nova-iorquina estreiam na cidade (e outros três estão quase chegando).

 

A temporada começa com "Hairspray", o mesmo que fez de John Travolta uma dona de casa obesa no cinema. Dirigido por Miguel Falabella, o espetáculo estreia nesta sexta, 26, no Teatro Bradesco, com Edson Celulari esbanjando laquê (e gordurinhas de espuma). Sábado, 27, é a vez de Tuca Andrada assumir, no Teatro Alfa, o papel que valeu o Oscar de melhor ator a Yul Brynner em 1957, na adaptação para o cinema de "O Rei e Eu" (mas pode ser que você conheça mais a versão estrelada por Jodie Foster em 1999, "Anna e o Rei").

 

Na quinta, 4, Paula Lima estrela, no Teatro Abril, o musical "Cats", um programa clássico para quem vai a Nova York desde a estreia do original, em 1981. A cantora teve de fazer aulas de ‘felinidade’ para viver a gata Grizabella. Nas páginas a seguir, você vai conhecer todas as etapas de produção, ensaio e apresentação desses grandes espetáculos. Para você, quem sabe, entrar neste filão. Ok, é só modo de dizer.

 

Edson Celulari à frente do elenco do musical 'Hairspray'. Foto: Juan Guerra/AE

 

Hairspray - Este sucesso recente da Broadway só estreou em Nova York em agosto de 2002. O musical conta a história de Tracy Turnblad, uma garota carismática (mas fora dos padrões de beleza) que quer participar de um programa de TV. O espetáculo inspirou um filme com o mesmo nome em 2007, com John Travolta e Michelle Pfeiffer.

 

Dramatização foi feita a partir de um filme, ‘Hairspray’, escrito e dirigido por John Waters, foi lançado em fevereiro de 1988. No elenco, Ricki Lake, Divine, Debbie Harry (vocalista da banda Blondie)e Sonny Bono.

 

Edson Celulari - Com 33 anos de carreira, o bauruense Edson Celulari enfrenta pela primeira vez a tarefa de atuar em um musical (apesar de sua mulher, Claudia Raia, ter vários no currículo). Ele garante que a sua paixão pelo gênero também é antiga e foi determinante para que aceitasse o "convite indecente" do diretor Miguel Falabella. "Um musical proporciona um estado de espírito único - é muito prazeroso ", afirma. "Tomei gosto por cantar."

 

Teatro Bradesco (1.457 lug.). Bourbon Shopping São Paulo. R. Turiaçu, 2.100, 3º andar, Pompeia, 3670-4141. 5ª, 21h; 6ª, 21h30; sáb., 17h e 21h30; dom., 18h. 160 min (com intervalo de 15 min). Livre. R$ 40/R$ 190. Até 16/5.

 

No cinema, trama ganhou cinco Oscars e alavancou montagem teatral. Foto: Keiny Andrade/AE

 

O Rei e Eu - ‘The King and I’ nasceu na Broadway, com Rodgers & Hammerstein, em 1951. Mas foi o filme de 1956 estrelado por Yul Brynner e Deborah Kerr que, com 5 Oscars, alavancou a carreira do musical. No enredo, o rei de Sião contrata a inglesa Anna para educar seus 67 filhos - em uma empreitada que ainda inclui elementos de choque cultural.

 

Inspiração vem de um romance biográfico. ‘Anna and the King of Sion’, de Margaret Landon, foi publicado em 1944. A autora se baseou nos diários da verdadeira Anna, mas enfatizou o ‘affair’ entre a jovem e o rei.

 

Tuca Andrada - Ele já sabia cantar. Fez ‘Orlando Silva’, ‘O Beijo da Mulher Aranha’, entre outros. E diz que, na verdade, a maior dificuldade de fazer o Rei de Sião foi dramatúrgica: incorporar um tirano adorável. Ele chama atenção para o jogo teatral com Anna (Cláudia Netto) e diz, em contrapartida, que suas canções são "bem fáceis", já que "Yul Brynner não cantava".

 

Teatro Alfa (1.100 lug.). R. Bento Branco de Andrade Filho, 722, Santo Amaro, 5693-4000. 5ª, 21h; 6ª, 21h30; sáb., 17h e 21h; dom., 16h e 20h. 150 min (com intervalo de 15 min). Livre. R$ 60/R$ 185. Estreia sáb. (27). Até 8/8.

 

Na história, a gata e ex-diva Grizabella deixa tribo para conhecer o mundo. Foto: Paulo Liebert/AE

 

 'Cats'- Os gatos da tribo ‘Jellicle’ entraram em cena pela primeira vez em Londres, em 1981, e chegaram à Broad-way no ano seguinte. O premiado espetáculo de Andrew Lloyd Weber usa o universo felino para falar de exclusão. Na história, a gata e ex-diva Grizabella deixou a sua tribo para conhecer o mundo e sofre quando decide voltar.

 

História foi montada a partir de um livro de poemas. ‘Cats’ é inspirado em ‘Old Possum’s Book of Practical Cats’ (1930), de T.S. Eliot. A canção ‘Memory’ foi tirada de ‘Rhapsody on a Windy Night’ e a gata Grizabella, de um rascunho.

 

Paula Lima - Saulo Vasconcelos e Sara Sarres, os protagonistas de ‘O Fantasma da Ópera’, formam a base da gataria com a cantora Paula Lima, por quem a equipe internacional de ‘Cats’ se encantou. A recíproca é verdadeira: "Estou apaixonada por esse espírito de grupo", diz. "É como um dominó montadinho - uma noção de disciplina que já está mudando os meus shows."

 

Teatro Abril (1.530 lug.). R. Brig. Luís Antônio, 411, Bela Vista, 4003-5588. 5ª e 6ª, 21h; sáb., 17h e 21h; dom., 16h e 20h. 160min (com intervalo de 20 min). Livre.  R$ 50/R$ 240. Até 30/5.

Mais conteúdo sobre:
Cats, Hairspray, O Rei e EU

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.