Divulgação
Divulgação

Música como expressão visual

O premiado diretor Alex Courtès fala sobre trabalho com Bono e Jack White

Jotabê Medeiros, O Estado de S.Paulo

17 de janeiro de 2013 | 02h10

Ele dirigiu do norte-americano Jack White, do White Stripes, ao irlandês Bono, do U2, passando pelos franceses do Daft Punk e Cassius. É muito complicado ter de dar instruções e ordens para essa constelação de pop stars?

"Pelo contrário. Essa é a distância entre um verdadeiro astro e um metido qualquer: os astros sabem muito bem qual é a diferença entre o que eles são de verdade e a pessoa pública", contou anteontem, em entrevista ao Estado, o diretor de vídeos musicais francês Alex Courtés.

Courtès participa de uma mesa-redonda, neste sábado, às 19h, do festival m-v-f- (Music Video Festival), para falar do seu métier. O painel The French Kiss discutirá os processos e as formas de exibição atual dos videoclipes, além de dar um painel histórico do seu desenvolvimento. Terá a participação, além de Courtès, de Ophélie Beaurepaire (diretora e organizadora do festival parisiense Protoclip, que está em sua 8.ª edição), Jules de Chateleux e Acid Washed. A moderação será de Seb Caudron.

Alex Courtès despontou no cenário do videoclipe francês dirigindo, com Martin Fougerol, filmes para bandas então emergentes do cenário gaulês, como Sébastien Tellier (Politics), Cassius (Sound of Violence), Phoenix (If I Ever Feel) e Air (Premiers Symptomes). Formado em artes gráficas, começou fazendo tanto os clipes quanto as capas de alguns discos - é dele aquela inscrição com o nome Daft Punk na capa de Discovery (2001), álbum da banda, uma arte que parece imitar cristal líquido. Foi essa formação de designer que o levou, segundo conta, a desenhar e montar o psicodelismo geométrico que resultou no famoso vídeo do White Stripes, Seven Nation Army, na qual a dupla americana contracena com losangos e triângulos.

Em 2003, após o sucesso estrondoso desse trabalho com Jack White (que lhe valeu um Grammy, entre outros inúmeros prêmios), Alex passou a dirigir clipes de grandes bandas, como U2 (na superprodução Vertigo), Wolfmother (Woman), e Jamiroquai, além de outros artistas como Hillary Duff, Kylie Minogue, Franz Ferdinand, Justice e Snow Patrol.

Courtès não enxerga ainda o desenvolvimento de uma linguagem própria do vídeo musical na era do Youtube. "É mais um sistema de difusão do que uma linguagem. E, muitas vezes, sua eficácia também não é muito precisa. Você tem um vídeo que foi visto por 2 milhões de pessoas no Youtube, mas muito provavelmente há uma mesma pessoa acessando dezenas de vezes o mesmo vídeo, e isso não é um sintoma de aceitação, de impacto", diz o diretor. "A música sempre fez uso da imagem como elemento associado, e vai continuar a precisar. Nesse contexto, todos precisamos uns dos outros, então a era digital vai continuar oferecendo um modo de sobrevivência de milhares de artistas no mundo todo", acredita ele.

"Eu não posso falar da reprodução técnica do som, não sei se está à altura dos outros meios. Mas eu uso muito a internet para descobrir a música e os discos. Por meio dela, descobri milhares de coisas que acho que não conseguiria descobrir no tempo do disco", afirmou.

Entretanto, salienta, Courtès, a aventura cinematográfica é diferente da empreitada de fazer um vídeo musical. Em ambas, trata-se de evitar "mimetizar" a outra linguagem, e encontrar seu próprio caminho. Ele diz que a internet tem sido uma grande aliada do ponto de vista da informação.

Ele dirigiu, em 2011, o seu primeiro longa-metragem, O Incidente, e também um episódio da série cinematográfica Os Infiéis (Os Infiéis Anônimos). Ele e Romain Gavras são, atualmente, os mais influentes profissionais da linguagem do vídeo musical na França. Gavras criou controvérsia ao dirigir e produzir o vídeo de Stress, da banda Justice, acusado de estimular a violência em seu país.

Ele e Martin Fougerol se formaram juntos em artes gráficas na École Penninghem, em Paris, e deram juntos os primeiros passos na arte da direção de vídeos. Separaram-se após Seven Nation Army.

MUSIC VIDEO FESTIVL

MIS. Auditório. Avenida Europa, 158, telefone 2117-4777. Sáb., a partir das 15h. Grátis - www.musicvideofestival.com.br

Tudo o que sabemos sobre:
MúsicaculturaAlex Courtes

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.