Museu Tate Modern de Londres será ampliado

A Tate Modern de Londres, o maior museu de arte contemporânea do mundo, contará com uma extensão em vidro. A ampliação foi autorizada pelo município londrino de Southwark. A extensão, cujo desenho está a cargo dos arquitetos suíços Herzog & de Meuron, receberá novas salas de exposição, uma videoteca e galerias para performances e artes visuais. "Criaremos uma espetacular extensão na ala sul do museu, existente para oferecer mais espaço para a arte moderna e contemporâneo e permitir que a Tate enriqueça sua programação, explorando novas áreas da cultura visual contemporânea", declarou uma porta-voz da Tate Modern. O diretor da Tate, o britânico Nicholas Serota, se mostrou "encantado" com a permissão concedida pela região. "Esta decisão não teria sido possível sem o apoio e participação dos vizinhos, que foram essenciais no desenho da nova extensão. Não vemos a hora de trazer para Southwark um edifício único do século 21", acrescentou. Os arquitetos Herzog & de Meuron receberam no mês passado a medalha de ouro do Royal Institute of British Arquitects, em Londres, por projetos que incluíam a remodelação da Tate Modern em 2000. A Tate Modern faz parte da Tate Gallery, junto com a Tate Britain, a Tate Liverpool e a Tate St. Ives - essas duas últimas fora de Londres. O museu está localizado na antiga central elétrica de Bankside, originalmente desenhada por Sir Giles Gilbert Scott, e construída em duas fases entre 1947 e 1963. A central foi fechada em 1981, mas o edifício reformado por Herzog & de Meuron. Desde sua abertura, em 12 de maio de 2000, se converteu em uma das maiores atrações de Londres, com milhões de visitantes todos os anos. Em sua extensa coleção permanente estão quadros de Salvador Dalí, Pablo Picasso, Piet Mondrian, Paul Klee, Joan Miró, Amedeo Modigliani e Andy Warhol.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.