Museu Nacional recebe telas peruanas

Dez telas peruanas, pintadas entre os séculos 18 e 19 por artistas religiosos, serão doadas nesta quinta-feira ao Museu Histórico Nacional, pelo BankBoston. São obras de temas exclusivamente sacros, criadas com o fim de catequizar os índios da região de Cuzco, nos Andes. Foram adquiridas ao longo dos últimos 40 anos e, até agora, integravam a coleção de arte latino-americana da instituição. "Nosso acervo vai de obras históricas, como estas, a artistas novos, nos quais investimos como incentivo", disse o diretor de Assuntos Corporativos do banco, Bertrando Molinari.Durante a colonização da América Latina, a Espanha mandava religiosos, geralmente padres jesuítas, para converter os nativos. A imagem era o veículo privilegiado para a evangelização e, por isso, vários quadros foram pintados contando passagens bíblicas ou a vida dos santos. O estilo ficava entre o bizantino e renascentista, mas logo esses pintores, influenciados pela paisagem americana e livres da censura da Igreja Católita Romana, tomaram liberdades nas cores e nas formas. Com as guerras de independência, essas obras se dispersaram e precisaram ser compradas no mercado internacional."Escolhemos o Museu Histórico Nacional por sua arquitetura, porque a instituição já tem um bom acervo religioso e também porque o local escolhido para a exposição desses dez quadros foi o hall dos Arcazes, logo na entrada da mostra permanente", contou Molinari. "Nosso investimento foi de R$ 273 mil, dos quais R$ 50 mil foram gastos com a restauração desse ambiente onde os quadros ficarão à vista do público."Segundo Molinari, o BankBoston tem investido, desde 1992 no mínimo R$ 1 milhão (quase R$ 2 milhões) em marketing cultural, por meio de leis de patrocínio ou fora delas, quando o projeto não cabe na legislação. "Nosso foco tem sido, até agora a restauração de prédios e a música erudita, mas investimos também em artes plásticas", explicou Molinari.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.