Museu Imperial compra retrato de Imperatriz

O primeiro retrato feito no Brasil daimperatriz Amélia de Beauharnais, a segunda mulher de Dom PedroI, foi comprado hoje pelo Museu Imperial de Petrópolis, por US$30 mil (quase R$ 70 mil), à Christie´s de Nova York. O quadrofoi pintado em outubro de 1829, uma semana após a chegada daprincesa da Baviera e da Itália, então uma adolescente de 17anos, já casada por procuração com o imperador, que por ela seapaixonou perdidamente a ponto de deixar de lado todas as outrasamantes, inclusive a Marquesa de Santos. Apesar de a princesa ter posado de costas, seu porte egraça se destacariam mesmo entre as adolescentes de hoje. Para adiretora do Museu Imperial, Maria de Lourdes Horta, seu rostonão aparece devido à urgência com que o quadro foi executadopelo pintor oficial da corte, Arnaud Julien Pallire. "É umóleo pequeno, com menos de 70 centímetros de altura, talvez umestudo para um retrato futuro, que o próprio Palliard pintou eque hoje está conosco, dentro da coleção doada por Paulo Geyer" diz Maria de Lourdes. "O curioso nele é o fato de ser uma cenaintimista, ao contrário das poses oficiais da época, e o chão emlosangos verde-amarelo, indicando que ela já dominava oBrasil." A Christie´s não revela a origem dos objetos que leiloa,mas ofereceu o quadro primeiro ao Museu Imperial, especializadoem século 19. A verba veio do Ministério da Cultura e ainda nãohá prazo para o quadro entrar para a exposição permanente,embora seja um marco da história imperial. "É o momento em quedom Pedro I se reabilita politicamente diante do País e dasnações européias", ensina Maria de Lourdes. "Dona Amélia, aos17 anos, foi importante nesse processo."Apesar disso, ela viveupouco no Brasil. Em 1931, o imperador voltou a Portugal, ondetornou-se dom Pedro IV e, três anos depois, morreu com 34 anos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.