Museu Iberê Camargo começa a deixar o papel

O arquiteto português Álvaro Siza esteve em São Paulo para falar sobre o projeto que ele desenvolveu para o Museu Iberê Camargo, que será construído em Porto Alegre. As obras foram iniciadas na semana passada e, pelo cronograma, o museu deve ficar pronto no segundo semestre de 2005. Além de explicar o projeto arquitetônico, premiado na Bienal de Arquitetura de Veneza no ano passado, Siza acompanhou testes para ver a qualidade do concreto branco que será utilizado em toda a obra - um protótipo de parede com cerca de quatro metros de comprimento foi desenvolvido pela Construtora Camargo Corrêa. Além disso, ele visitou a exposição de Iberê Camargo, em cartaz na Pinacoteca de São Paulo - onde estão, também, maquete e desenhos do projeto para o museu - e, entre hoje e amanhã, estará em Porto Alegre. Depois, ele retorna a Portugal.O edifício, com cinco pavimentos em concreto branco sobre uma armadura galvanizada desenvolvida pelo Grupo Gerdau, será construído às margens do Rio Guaíba, na Avenida Padre Cacique. O terreno, de 8.600 metros quadrados, foi doado à Fundação Iberê Camargo pelo governo do Rio Grande do Sul. "Tive várias idéias quando vi o local. Na verdade, tinha de encaixar o edifício na reentrância do rio", disse. Este é, efetivamente, seu primeiro trabalho no Brasil. Toda a obra está orçada em R$ 15 milhões. "O museu, hoje, não é só uma seqüência de espaços onde quadros estarão pendurados. São espaços dinâmicos, neutros, para se ter a liberdade de mostrar obras de quaisquer artistas." Siza afirmou que não foi influenciado pela obra do artista Iberê Camargo para desenvolver o projeto arquitetônico do novo museu. "Não está prevista uma área para exposições temporárias nem uma área para exposição permanente. Vai depender da decisão do diretor do museu", afirmou o arquiteto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.