Museu dos EUA quer ensinar finanças

Alguns dos principais executivos dosEstados Unidos poderiam ter mantido seus empregos seconhecessem algo da história financeira de seu país. Poisdeveriam frequentar o Museu das Finanças Americanas, que reabrenesta semana, após ser transferido para o coração do distritofinanceiro, no sul de Manhattan, a um custo de 9 milhões dedólares. O museu, no número 48 da Wall Street, vai exibir barras deouro e tesouros numismáticos e terá exibições interativas sobreempreendedorismo, entre outras atrações. Ocupando cerca de 2.800 metros quadrados num prédiohistórico, o museu também servirá, na prática, como uma galeriapara visitantes da Bolsa de Nova York, segundo Lee Kjelleren,seu diretor. O aumento da segurança desde o 11 de Setembro faz com que oGrande Pregão não seja acessível ao público, mas a poucosmetros dali, no museu, os visitantes poderão acompanhar aatividade da maior Bolsa do mundo em telões. Porém, o curador Richard Sylla, professor da Universidadede Nova York, diz que os grandes "crashes" da Bolsa tambémserão contemplados, junto com outras turbulências da históriados EUA. Segundo ele, qualquer banqueiro de investimentos passarápor pelo menos duas ou três crises financeiras em sua carreira-- como a atual crise do crédito imobiliário nos EUA, que jáderrubou executivos de empresas como Merrill e Citigroup. "A Goldman Sachs fez muito dinheiro porque usou a cabeçapara antecipar a crise. O Citibank, o Merrill Lynch e algunsoutros não foram tão felizes." Mas nem tudo no museu são cifras. Estarão em exibiçãomoedas resgatadas de galeões espanhóis, um lingote de ouro comquase 30 quilos, mensagens telegráficas com as cotações do"Grande Crash" da Bolsa em 1929 e um título do Tesouro que pelaprimeira vez usa o símbolo do dólar. E sabe quem está na nota de 10 mil dólares? Salmon Chase,que foi secretário do Tesouro de Lincoln. Mas o museu pretendeno futuro exibir uma nota de 100 mil dólares, com a efígie dopresidente Woodrow Wilson. O museu será aberto ao público na sexta-feira. O ingressocusta 8 dólares para adultos e 5 dólares para crianças eidosos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.