Museu do Teatro Municipal de SP reabre após reforma

São Paulo ganha nesta sexta-feira mais um espaço cultural renovado. O Museu do Teatro Municipal volta a funcionar após ficar um ano e meio fechado para reformas. A reinauguração coincide com o período em que o teatro encerrará sua temporada e fechará por quatro meses para ser modernizado e restaurado. O fechamento está previsto para o dia 18.As intervenções feitas no museu com verbas da Fundação Vitae e da Secretaria Municipal da Cultura foram poucas, mas fizeram diferença. A iluminação e os painéis para exposição de fotografias foram melhorados e o pé direito ampliado. O principal ganho foi o equipamento audiovisual com o qual o visitante poderá assistir a um vídeo com os principais acontecimentos no Municipal. Ao todo foram gastos R$ 190 mil.Para marcar a nova fase do museu, uma exposição inédita intitulada Teatro Municipal: Ícone e Memória foi montada. Ao contrário das anteriores, que tinham como foco a história do teatro, essa contempla a mudança da cidade depois da construção do Municipal. Em outros painéis, a história é contada a partir das manifestações culturais que o palco recebeu, como ópera, dança, música popular e dramaturgia. "Era tanta coisa que tinha vontade de colocar muito mais fotos. Foi uma seleção rigorosa", disse o diretor do museu e curador da exposição, Márcio Sgreccia.Meio escondido, o Museu do Teatro Municipal funciona em um espaço sob o Viaduto do Chá, na Praça Ramos de Azevedo, desde 1995. O acervo começou a ser organizado em 1968, mas só em 1983 foi regulamentado e ligado à Divisão de Iconografia e Museus do Departamento do Patrimônio Histórico (DPH). Nessa época, a coleção ficou guardada em três salas do teatro e as exposições ocorriam no salão nobre. Em 1985, quando o teatro passou pela segunda reforma, todo o material foi para o Edifício Martinelli. Dez anos depois , o museu ganhou um lugar fixo."A reforma é importante por vários aspectos, principalmente porque o teatro é um ponto de referência na cidade. Nosso acervo mostra a diversidade cultural de São Paulo", disse o diretor do DPH, Walter Pires. Segundo ele, as melhorias no museu estão associadas à modernização do teatro e a revitalização do centro.AcervoEntre as raridades expostas está o programa da apresentação que inaugurou o Teatro Municipal, em 12 de setembro de 1911. No folheto, além da foto do barítono italiano Titta Ruffo, que na ocasião atuou como protagonista da ópera Hamlet, há uma propaganda de água oxigenada. "Peçam amostras e circulares apresentando este programa a Paul J. Christoph & Co.", está impresso. "Isso era muito comum na época, todo esse material era patrocinado pelos grandes lojistas da época", explicou Sgreccia.Ao todo, são 60 painéis com mais de 300 imagens que marcaram a história do teatro e da cidade. Um dos primeiros é o dedicado à Semana de Arte Moderna de 1922, outro que recebeu destaque é o que aparece a atriz Vivein Leigh, que atuou no filme E o Vento Levou. "Pouca gente sabe, mas ela esteve em São Paulo e participou da peça A Dama das Camélias, em 1960", disse o curador.Na exposição, há só um figurino exposto. "Preferimos assim já que é difícil manter uma roupa conservada neste espaço", explicou Sgreccia. O vestido feito com cristais tchecos foi usado na ópera Lo Schiavo, de Carlos Gomes, encenada em 1921. Outros artistas brasileiros também foram homenageados, como a soprano Bidú Sayão.O Museu do Teatro Municipal será reinaugurado nesta sexta-feira, às 11 horas. A entrada é gratuita. Agendamentos de visitas para grupos são feitos pelo telefone (011) 3241-3815.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.