Museu de Nova Orleans exalta a arte do coquetel

Ted Haigh era fascinado peloretrato feito por Hollywood da cultura dos coquetéis, mesmoquando não tinha idade legal necessária para poder beber. Para ele, assistir a William Powell e sua esposa, MyrnaLoy, bebendo em cálices de haste fina e trocando falasinteligentes no clássico de 1934 "A Ceia dos Acusados" foi umaexperiência instigante. "Eu tentava imaginar: 'O que eles estarão bebendo, qual é osabor?"', contou o entusiasta de 51 anos. Imagens como essas motivaram seu fascínio eterno pelahistória dos coquetéis e drinques e o levaram à abertura doMuseu do Coquetel Americano, do qual é curador. O museu é um espaço de madeira e vidro, com clima de clube,que rende homenagem a um dos passatempos favoritos dos EUA,expondo centenas de artefatos relativos a coquetéiscolecionados por Haigh ao longo de várias décadas. Estão expostas coqueteleiras antigas, jornais da época daLei Seca, garrafas de uísque singulares e algumas das receitasde coquetéis e instrumentos de bar mais antigos do país. "Numa primeira fase eu quis guardar tudo para mim, masentão compreendi que poderia fazer mais bem se compartilhassetudo isso com o mundo", disse Haigh, que é conhecido por seuapelido, Dr. Cocktail. Situado no shopping Riverwalk Marketplace, em Nova Orleans,o museu dos coquetéis é fruto de uma idéia do barmannova-iorquino Dale DeGroff e sua mulher, Jill. Eles queriam encher o museu com o grande estoque de objetosrelacionados a coquetéis que tinham. Mas, depois de conhecerHaig e sua grande coleção, o casal o convenceu a emprestar seustesouros ao novo museu. Quanto ao fato de o museu ter sido criado em Nova Orleans,DeGroff disse que não precisou pensar duas vezes. "Esta é uma cidade em que homens e mulheres se sentavamjuntos em bares no século 19, quando isso não acontecia emnenhum outro lugar do país", diz DeGroff, que já foi barman empontos célebres de Nova York como o Rainbow Room. "Isso era porque, em Nova Orleans, os bares eram conhecidoscomo 'coffeehouses', então as damas podiam entrar." A inauguração do museu coincidiu com o fim de um "festival"de cinco dias de degustações de coquetéis e seminários debarmen em Nova Orleans. O evento foi batizado de "Tales of theCocktail" (Histórias do Coquetel).

KATHY FINN, REUTERS

22 de julho de 2008 | 17h04

Tudo o que sabemos sobre:
TURISMONOVAORLEANSCOQUETEL

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.