Museu de Arte do Rio será inaugurado amanhã

Sobre os dois prédios que formam o novo MAR - Museu de Arte do Rio, na Praça Mauá, uma gigantesca superfície ondulada e branca, feita com 800 toneladas de concreto, remete a um pedaço fluido do oceano. A cobertura de 1,7 mil m², sustentada por 37 pilares, é marca arquitetônica da instituição cultural carioca que será inaugurada amanhã com a presença da presidente Dilma Rousseff e autoridades; no sábado, para convidados; e na terça-feira para o público. Foram cinco anos de trabalho, dois anos de obras e reformas, para estruturar o museu que coloca lado a lado a arte e educação, como dizem seus organizadores. De um lado, o Palacete D. João VI, de 1916, é o complexo expositivo, com oito salões; do outro, um edifício da década de 1940 abriga a Escola do Olhar.

AE, Agência Estado

28 Fevereiro 2013 | 09h57

"Podem nos cobrar depois", diz o diretor cultural do MAR, Paulo Herkenhoff, sobre fazer um projeto intricado de arte e educação. "A gente tem de acreditar nos sonhos, pensar grande e o intelectual tem de fazer alianças com pessoas que podem potencializar os devaneios. Para mim, a questão básica, hoje, do museu é qual o lugar da arte na esfera pública. E quem responde a isso não são os órgãos públicos, não é o Estado, um partido político, uma burocracia, é a sociedade. O que os professores universitários esperam de um museu como instituição acadêmica?", continua o diretor e curador-geral do MAR. A primeira meta da instituição é receber 600 mil alunos da rede de ensino da cidade em três anos.

Entretanto, o Museu de Arte do Rio nasce não apenas com seu mote conceitual, mas, fisicamente, superlativo. Além de ser inaugurado com quatro exposições de peso, já conta com 3 mil obras em seu acervo, mil livros de artistas, 5 mil livros em sua biblioteca, 5 mil peças de memorabilia e documentos históricos sobre o Rio, 42 fundos de doadores que já cederam ou vão ceder, diretamente, como pessoas jurídicas, empresas ou instituições, peças para a coleção do MAR (não em forma de comodato). "Não vai ser um acervo eclético, mas enciclopédico", afirma Herkenhoff.

A coleção vai se formar a partir de "núcleos significativos" dedicados à iconografia sobre o Rio de Janeiro, cultura afro-brasileira, memória da escravidão, abstração geométrica, artes decorativas e livros.

Artistas, entre eles, Adriana Varejão e Claudia Jaguaribe, também já doaram obras para a instituição, que conta ainda com peças de criadores estrangeiros como Louise Bourgeois e Sol LeWitt, por exemplo. "A vinda do Paulo Herkenhoff articulou essas doações", diz Hugo Barreto, diretor-geral da Fundação Roberto Marinho, que concebeu o MAR a pedido da Prefeitura do Rio. Inicialmente, a instituição seria inaugurada em junho do ano passado.

As informações são do jornal O Estado de S.Paulo

Mais conteúdo sobre:
visuaisMuseu de Arte do Rio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.