Museu da República comemora 40 anos

Nesta quinta-feira o Museu da República dá inicio às comemorações de seus 40 anos. A data precisa de seu aniversário é no dia da República, 15 de novembro. Instalado no Palácio do Catete, residência oficial de todos os presidentes brasileiros até 1960, o museu passou três décadas conhecido como memorial do poder. Hoje, mais que isso, é um complexo cultural que inclui cinema, teatro, livraria, salas de música e exposição. A festa vai ter programação extensa, com destaque para os concertos de Artur Moreira Lima e Paulo Moura, exposição de livros de Josué Montello e o lançamento do Centro de Referência da História Republicana Brasileira, arquivo público disponível na Internet.Quando deixou de ser um lugar de historiadores para virar centro cultural, o Museu da República teve de se adaptar. Hoje, é ponto de encontro de moradores do Catete, sendo conhecidas as serestas organizadas por freqüentadores uma vez por mês e o "baixo-bebê", o famoso encontro de mães no jardim onde levam seus recém-nascidos. "Para termos um público maior e com mais interesse, foi necessário quebrar alguns preconceitos", diz Anelise Pacheco, diretora do Museu desde 1993. "Os mais puristas discordaram da idéia de, por exemplo, colocarmos um restaurante dentro do museu", diz ela, mas lembrando que foram pioneiros em algo que hoje é comum entre instituições culturais.Medidas como estas tornaram o local, antes conhecido pelo suicídio de Getúlio Vargas e que recebia visitantes interessados em documentos e objetos pessoais de ex-presidentes, um verdadeiro centro cultural. O público aumentou, respondendo às novas atrações, que incluíam um cinema do Grupo Estação, apresentações de música e teatro ao ar livre, exposições e uma iniciativa na área educacional. O Museu é responsável por cursos, seminários e mantém até uma brinquedoteca, em que as crianças podem pegar brinquedos emprestados. "Para termos essa proximidade, derrubamos o muro que envolvia o jardim do museu", diz Anelise, "e assim integramos este espaço ao bairro". Museu e tecnologia - Já no começo dos anos 90, o museu colocava à disposição do público um quiosque de computadores que informavam a programação. A constante preocupação em modernizar o museu sem perder de vista seus documentos históricos culminou no Centro de Referência da História Republicana, um portal de Internet que será lançado nas comemorações de 40 anos. Nele, o museu pretende não apenas arquivar as informações, mas fazê-las úteis para professores, alunos e interessados em história."Não adianta construir um prédio novo para armazenarmos o acervo, se ele não for consultado pela população", afirma a diretora. O Centro de Referência vai contar com visitas guiadas virtuais, linhas do tempo, murais e fontes para aulas on-line. O museu espera receber ajuda de outros centros de memória para esta iniciativa, como universidades e arquivos de outros Estados. De graça - Seguindo uma receita que fez do Museu da República um dos mais freqüentados complexos culturais da cidade, toda a programação dos 40 anos será gratuita. No dia 9 o livro Pereira Passos: notas de viagens será lançado às 19h. Dia 15 a exposição de livros de Josué Montello toma conta da livraria, que recebe homenagem no mesmo dia por ter sido o primeiro diretor do Museu em 1960. Também no dia 15 o site do Centro de Referência será lançado, seguido de concertos do pianista Artur Moreira Lima e de Paulo Moura. Os festejos vão até o dia 19.40 Anos do Museu da República - Início dia 09 e continuação de 15 a 19 de novembro no Museu da República, Rua do Catete, 153. Tel.558-6350.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.