Museu alemão recria face 'verdadeira' de Bach

Técnicas de medicina forense foram usadas para reconstruir a face do compositor alemão.

Marcelo Crescenti, BBC

24 de março de 2008 | 07h40

Um museu alemão usou técnicas da medicina legal para reconstruir o que seria a verdadeira face do famoso compositor alemão Johann Sebastian Bach.Historiadores e antropólogos usaram alta tecnologia e as mais novas técnicas da medicina forense para tentar obter uma imagem fiel das feições de Bach.A reconstrução é a principal atração de uma nova exposição no museu Bachhaus (Casa de Bach), localizado na casa que o compositor nasceu, na cidade de alemã Eisenach.O projeto teve o apoio do centro de anatomia e identificação humana da Universidade de Dundee, na Escócia.Os especialistas tomaram por base um molde em bronze da caveira do compositor alemão e reconstruíram sua face no computador 323 anos depois de sua morte.Até hoje só existe um retrato de Bach, feito pelo pintor alemão Gottlob Haussmann que, no entanto, não é considerado uma representação fiel do compositor.Esta não é a primeira vez que se tenta descobrir a verdadeira face de Bach: um médico e um escultor alemães também usaram sua caveira para uma reconstrução facial em 1894.O resultado de suas pesquisas resultou em uma estátua a Johann Sebastian Bach, inaugurada em sua cidade natal em 1908.Cem anos depois, a antropóloga escocesa Caroline Wilkinson usou fotos e medidas da caveira, tomadas pelos dois alemães, para fazer o novo retrato do compositor.A foto divulgada pelo museu mostra um senhor de meia-idade, um tanto gorducho, e com vastas sobrancelhas.Johann Sebastian Bach é considerado um dos maiores compositores clássicos da história e viveu de 1685 a 1750.Entre suas obras mais conhecidas estão os Concertos de Brandenburgo e a Paixão, segundo São João.A exposição Bach no Espelho da Medicina com a reconstrução da face do compositor fica em cartaz no museu Bachhaus em Eisenach até o dia 9 de novembro de 2008. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.