Musa da Orquestra Imperial, Nina Becker lança CD solo

Musa da Orquestra Imperial, Nina Becker lança CD solo

Musa da Orquestra Imperial ao lado de Thalma de Freitas, Nina Becker revela-se mais introspectiva nos CDs de estreia solo, "Vermelho" e "Azul" (YB Music), lançados simultaneamente. Depois do Rio, a cantora e compositora traz o repertório dos CDs para o Sesc Pompeia, em duas noites tendo como convidados Nelson Jacobina (hoje) e Romulo Fróes (amanhã) e Mauricio Tagliari (nas duas). A banda que a acompanha desta vez é formada por Pedro Sá e Bartolo (guitarras), Eduardo Manso (baixo) e Thomas Harres (bateria).

AE, Agência Estado

14 de outubro de 2010 | 09h33

Os contrastes entre "Azul" e "Vermelho" aparecem mais na produção, na forma de gravação, na sonoridade e na formação instrumental, mas não no conceito e no conteúdo. Produzidos por ela com Maurício Tagliari e Carlos Eduardo Miranda, com dez canções cada um, são álbuns de canções e interpretações delicadas, arranjos Sutis, cheios de pausas e silêncios, melodias e letras melancólicas, de uma beleza e uma elegância cool. "Azul" é mais elaborado e foi gravado ao longo de um ano. Mais despojado, "Vermelho" levou apenas quatro noites para ficar pronto, e foi feito no esquema ao vivo em estúdio.

"A diferença é só mesmo no jeito de gravar", diz a cantora. "Comecei a gravar o "Vermelho" sem muita estrutura, às vezes era só eu e uma guitarra. As músicas mais vigorosas acabaram ficando para tocar com a banda no "Azul". Mas poderia dizer que são trabalhos gêmeos, que têm texturas diferentes. Não tive a menor intenção de separar."

Além de composições próprias, Nina gravou vários autores bacanas de sua geração e de sua turma, entre companheiros de Orquestra Imperial e parceiros nas canções - Moreno Veloso, Domenico Lancellotti, Rubinho Jacobina, Nervoso, Renato Martins (da banda Canastra), o quarteto Do Amor (Gustavo Benjão, Marcelo Callado e Ricardo Dias Gomes Nina), Bartolo, Quito Ribeiro, Nuno Ramos e Romulo Fróes.

Ela também reinterpreta duas da dupla Jorge Mautner e Nelson Jacobina ("Lágrimas Negras" e "Samba Jambo") e o samba clássico "Não Me Diga Adeus" (Paquito/Luiz Soberano/João Correia da Silva). No palco, a cantora mantém a atmosfera calma dos CDs, com alguma variação nos arranjos, como em "Flor Vermelha" (Nuno Ramos/Romulo Fróes). Ela também canta Tom Jobim e Dolores Duran ("Estrada do Sol") e Jimi Hendrix ("Maybe This Love"). "Canto essa música de Hendrix nos shows desde 2005 e penso até em gravá-la. Ele é uma grande influência pra mim e acho que tem a ver como meu trabalho na maneira como valoriza as guitarras. É um respiro para o show." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Nina Becker - Teatro do Sesc Pompeia (Rua Clélia, 93). Tel. (011) 3871-7700. Hoje e amanhã, 21 h. R$ 4 a R$ 16.

Tudo o que sabemos sobre:
músicaNina BeckerSesc Pompeia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.