Muralha da China tem seu primeiro grande desfile de moda

88 modelos percorreram a passarela montada sobre plataforma erguida em parte restaurada da Muralha

REUTERS

19 Outubro 2007 | 16h06

Erguida séculos atrás para manter as hordas bárbaras fora do país, a Grande Muralha da China ficou iluminada nesta sexta-feira,19, com o primeiro grande desfile de moda de sua história. Enquanto o Partido Comunista chinês está fechado em seu Congresso, alguns dos nomes mais famosos do país se reuniram na Muralha em Juyongguan para o lançamento de uma nova linha parcialmente desenhada por Karl Lagerfeld para a Fendi. Oitenta e oito modelos percorreram uma passarela montada sobre uma plataforma erguida numa parte restaurada da Muralha, ao som de música euro-trance, exibindo um misto colorido de peles e sedas, com cintos afivelados e as bolsas "baguette", tão características da Fendi. A atriz chinesa Zhang Ziyi - conhecida sobretudo por O Tigre e o Dragão - e várias outras celebridades acrescentaram glamour à ocasião. A estilista Silvia Fendi disse à Reuters: "Onde vamos depois disto? Para a lua? Por que não? Sinto que conseguimos realizar algo que era realmente um sonho." Mas, de acordo com o CEO da Fendi, Michael Burke, não foi fácil organizar o evento num local histórico que o governo chinês tem muito trabalho para proteger. A autorização para o desfile só veio seis semanas atrás, apesar de ele ter sido planejado há um ano. Lagerfeld disse que, para o desfile, "brincou com círculos" para criar uma combinação de arcos e simetria, simbolizando a harmonia. "Fiz experiências com cortes e estampas para conseguir um efeito gracioso que ficasse bem em modelos chinesas", disse ele à Reuters, explicando o tema do círculo. A China vem atraindo cada vez mais a atenção de marcas globais, interessadas em conseguir espaço num mercado em que a economia em alta vem pondo dinheiro nos bolsos das pessoas e estimulando o desejo por artigos de luxo.

Mais conteúdo sobre:
MODA CHINA MURALHA

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.