Murakami em rara aparição

Escritor japonês falou ontem a alunos de uma universidade de Kyoto sobre o processo de criação de seu novo livro

KYOTO, O Estado de S.Paulo

07 de maio de 2013 | 07h16

O escritor japonês Haruki Murakami, em uma rara aparição pública, disse ontem que seu novo livro "foi um experimento" e "durou mais do que o esperado", uma vez que ele buscou "desenvolver melhor personagens secundários da história". Tsukuru Tazaki Sem Cor e o Ano de sua Peregrinação foi lançado em meados de abril no mercado japonês e tem vendido um milhão de cópias por semana.

Murakami participou ontem de uma conversa com alunos da Universidade de Kyoto. Segundo afirmou, seus livros são reflexos de seu "interesse profundo em pessoas reais e relacionamentos". Segundo a mídia japonesa, Murakami não falava em público há 18 anos no Japão.

Seu novo livro conta a história de um homem que é rejeitado subitamente por seus amigos mais próximos - e a maneira como precisa lidar com isso. "No começo, planejava escrever uma história com um caráter alusivo, como em meus outros livros. Mas, desta vez, desenvolvi um interesse novo pelo papel das pessoas comuns, reais. E então os personagens começaram a agir com vontade própria." O protagonista, Tsukuru Tazaki, arquiteto de 36 anos, retorna à sua Nagasaki natal e viaja a locais distantes, como a Finlândia, para descobrir o que levou seus melhores amigos a rejeitá-lo, 16 anos antes.

Aos alunos, Murakami afirmou que o significado da arte de narrar histórias é retratar "algo invisível e escondido em cada pessoa e ajudar a criar um espaço no qual cada um possa simpatizar e se identificar com os outros". "Eu posso entender o quão dolorido é ser rejeitado", disse. "Quando você se machuca, pode construir uma parede emocional em volta de seu coração. Mas, depois de um tempo, você pode se levantar e ir adiante. Era essa a história que eu queria contar." Tsukuru Tazaki Sem Cor e o Ano de sua Peregrinação é o primeiro livro de Murakami, autor sempre cotado para o Prêmio Nobel de Literatura, em três anos - e, por enquanto, foi lançado apenas em japonês. /AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.