Mulheres começam a dominar mundo pop

Elas ainda não estão dominando o mundo pop, mas chegam cada vez mais perto. O poder das mulheres fica mais forte entre as celebridades da música e do cinema com a presença de Julia Roberts no topo da lista dos mais poderosos da indústria, que inclui ainda Oprah Winfrey e, quem diria, Cher. Mas o último ano também tem trazido outras surpresas no universo das fortunas que vêm e vão.Roberts tem tudo para se manter em alta. Além de ter aparecido em sete capas de revistas importantes nos Estados Unidos no último ano, ela faturou US$ 50 milhões (o suficiente para ganhar o 12º lugar do ranking da Forbes, liderado por George Lucas, que ganhou US$ 400 milhões) e é uma das primeiras atrizes a ser cogitada para uma vaga no Oscar, por seu trabalho em Erin Brockovich. O filme e seu diretor, Steven Soderbergh, estão entrando em várias listas de melhores do ano e deve fazer bonito na cerimônia do Globo de Ouro, no fim do mês.Oprah Winfrey continua mostrando a força dos talk-shows. Ela é a segunda celebridade que mais faturou no ano passado (US$ 150 milhões) e é considerada a terceira pessoa mais poderosa de Hollywood. Ela tem tudo para manter a posição no ano que vem por conta do sucesso de sua revista, O, que já é sucesso de vendas.A auto-proclamada "rainha da volta" prova que não brinca em serviço e que a dance music é a nova galinha dos ovos de ouro do pop. Cher faturou US$ 40 milhões graças ao disco Believe, garantindo a nona posição na lista dos mais poderosos do mercado. O ranking mede a capacidade de cada estrela na hora de influenciar decisões, atrair investimentos e iniciar novos projetos na música e no cinema.A próxima a garantir uma boa vaga no clube é Cameron Diaz. O sucesso de As Panteras, que custou US$ 92 milhões para ser feito e já faturou bem mais do que isso em poucas semanas, deve aumentar o salário da atriz de US$ 12 milhões para US$ 20 milhões na continuação da história. Drew Barrymore, que também é a produtora da fita, poderia ganhar US$ 15 milhões. Enquanto isso na televisão americana, David E. Kelley, o criador das séries Ally McBeal e The Practice faturou US$ 118 milhões.

Agencia Estado,

01 de janeiro de 2001 | 16h46

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.