Mulher estraga pintura famosa do Louvre com caneta preta

O museu francês Louvre-Lens fechou duas galerias, nesta sexta-feira, depois que uma mulher rabiscou com uma caneta marcadora preta a famosa pintura "A Liberdade Guiando o Povo", de Eugene Delacroix.

Reuters

08 Fevereiro 2013 | 11h26

A polícia estava interrogando uma mulher de 28 anos que foi presa, na noite de quinta-feira, por escrever "AE911" ao longo de uma parte de 30 centímetros na parte inferior da obra, informou uma fonte judicial.

"AE911Truth" é o nome do site chamado "Architects & Engineers for 9/11 Truth" (Arquitetos e Engenheiros pela Verdade do 11 de Setembro), cujos apoiadores dizem que estão buscando determinar a verdade sobre o atentado suicida contra as Torres Gêmeas em 11 de setembro de 2001.

"A Liberdade Guiando o Povo", pintada em 1830, foi escolhida pelo Louvre-Lens, no norte da França, como o seu emblema para a abertura oficial em dezembro passado e está sendo emprestado pelo Louvre principal de Paris.

A obra, que mostra uma mulher com o busto descoberto, brandindo uma bandeira tricolor e liderando o povo sobre os corpos dos caídos, comemora a revolução francesa de 1830.

O museu disse que uma análise inicial sugeriu que o dano foi superficial e o famoso trabalho pode ser facilmente restaurado.

(Reportagem de Pierre Savary)

Mais conteúdo sobre:
ARTE OBRA RABISCADA LOUVRE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.