MTV explica o que é o electro

A vinda da DJ francesa Miss Kittin a São Paulo no último dia 7 despertou a curiosidade de muita gente a respeito do electro, gênero da música eletrônica do qual é mito. Para esclarecer a origem e a trajetória do estilo musical, a MTV leva ao ar, às 23h, Choque de Culturas - A Ascensão da Nova Cena do Electro, documentário inteiramente feito em Nova York, pelo jornalista radicado na Big Apple Guto Barra, da Planet Pop.Familiar com o mundo da música eletrônica, ele contou com a ajuda de outros profissionais conhecidos da cena por aqui: a videomaker Ruth Slinger (a mesma que fez 10 Anos de Música Eletrônica no Brasil) e Luca Lauri, dono do projeto Electroshock (ao lado de Liana Padilha), que se apresenta quinzenalmente no Xingu (centro da cidade).De agosto a dezembro de 2002, Guto foi coletando depoimentos de diversas estrelas do electro, estilo que nasceu há cerca de três anos em Berlim, na Alemanha, derivado do techno, mas com forte dose oitentista (nos arranjos e no estilo dos performers). No Novo Mundo, o estilo começou a se disseminar em 2001, com a ajuda do Electroclash, festival dedicado ao gênero que trouxe à luz o bairro de Williamsburg, no Brooklyn, ressuscitando a vida clubber de NY, reprimida pela política de tolerância zero à violência e às drogas, do seu ex-prefeito, Rudolph Giuliani."É uma música muito mais acessível", reflete Guto, sobre a febre electro que hoje lota bares e clubes. "Nos anos 90, os DJs se levavam muito a sério e esta nova leva trouxe humor e esculhambação para os sets de música eletrônica."Para quem conhece (ou não) esse segmento, o documentário é um prato cheio. Ao longo de 45 minutos, a produção reúne material inédito entre apresentações, videoclipes e depoimentos, que dão uma ampla compreensão do cenário em que esse tipo de música surgiu e se desenvolveu. Estão lá a tão falada Miss Kittin, Ladytron, WIT, DJ Hell (dono do selo Gigolo Records, origem dessa história toda), Peaches (performer que caiu nas graças de astros como Boy George e Madonna) e vários outros.A produção mostra também como alguns deles tornaram o hype algo extremamente rentável. É o caso do Fischerspooner, que graças a sua interpretação para o fenômeno, assinou contrato milionário com a EMI. "Se para Andy Warhol o objetivo era trazer o pop para a arte, queremos percorrer o caminho contrário", explica Casey Spooner, um dos componentes da banda, sobre seu estilo. "Trabalho contra a estética Broadway em cada música que faço."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.