Móvel brasileiro é exposto em Gramado

Quem espera tendências deve ir ao Salone Internazionale del Mobile, que começa dia 4 de abril, em Milão. O Salão do Móvel Brasil, realizado em Gramado, na semana passada, tinha algumas novidades, mas o que se viu foi uma mistura das coleções dos últimos anos, mescla de estilos e pouca inovação. A maioria dos expositores preferiu não arriscar e investindo no que já existe, pelo menos no mercado das grandes capitais.Mas, apesar do descompasso, o salão de Gramado é considerado o melhor do Brasil. "É claro que existem coisas feias", diz o decorador Sig Bergamin. "Mas 70% do que está aqui é muito bom, e há a oportunidade de escolher móveis que vão do clássico ao super moderno, em uma grande diversidade." O evento dobrou de tamanho nesta sua segunda edição e a expectativa de público - 12 mil pessoas - foi superada no terceiro dia de visitas. Os 173 expositores superaram a previsão de vender em quatro dias o equivalente a dois meses de produção. Mas ninguém revela números. Dois foram os motivos de tamanho sucesso: a qualidade dos produtos e o preço baixo. Os objetos estavam mais baratos do que em algumas feiras de rua. Abajures a R$ 40 e R$ 50, cestas de junco e vime, R$ 20. Os enfeites, por apenas R$ 5.Todos os expositores confirmaram presença para o Salão do ano que vem, que será realizado de 18 a 21 de março. As 70 fábricas que não tiveram espaço esse ano, continuarão na lista de espera. "Vou melhorar o espaço que já temos", garante o administrador do evento, Telmo de Freitas Gomes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.