Moulin Rouge é multado por racismo

O Moulin Rouge é uma lenda de Paris. Famoso por seus espetaculares números de belas mulheres vestidas de plumas e praticamente mais nada, inspirou o filme de 2001 que garantiu a Nicole Kidman um Oscar. Hoje, o cabaré apareceu nas notícias por um motivo bem menos nobre.Um tribunal de apelação condenou, hoje, o mais antigo cabaré francês a pagar uma multa de ? 10.000 (R$ 33 mil) por recusar-se a contratar um garçom experiente por ele ser negro. Abdoulaye Marega, senegalês, também deverá receber mais ? 4.500 (R$ 14.850,00) do Moulin Rouge como compensação por danos morais. O SOS-Racisme, uma organização anti-racial, receberá outros ? 2.300 (R$ 7.590,00).Os problemas do cabaré parisiense começaram em 1999, quando uma agência de empregos avisou Marega de uma vaga no restaurante do Moulin, onde os clientes assistem aos shows sentados à mesa. Ele apresentou-se mais foi recusado. Quando a agência ligou pedindo explicações, a gerente disse que o restaurante ?não emprega pessoas de cor na sala, só, algumas vezes, na cozinha?, segundo a acusação contou no tribunal.O SOS-Racisme assumiu a causa de Marega e mandou outro negro apresentar-se para o emprego. A gerente, Micheline Beuzit, deu-lhe a mesma resposta, sem saber que um fiscal do trabalho estava presente. No decorrer do processo, o tribunal de apelação reduziu a multa contra Beuzit de ? 3.000 (R$ 9.900,00) para ? 1.500 (R$ 4.950,00). Mas nem ela nem outros funcionários do cabaré apareceram no julgamento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.