Mostra sobre JFK em Roma reúne 700 itens pessoais

Uma mostra em Roma exibirá mais de 700 fotografias originais, filmes e objetos pessoais do ex-presidente dos Estados Unidos John Fitzgerald Kennedy, de 17 de abril a 2 de maio, no Templo de Adriano, no centro da capital. A exposição Kennedy, sobre o famoso político, morto em um atentado em Dallas em 22 de novembro de 1963, será aberta por Kerry Kennedy, filha de Robert Kennedy, irmão de John; e pelo prefeito de Roma, Walter Veltroni. A mostra acolherá pela primeira vez fora da Alemanha as mais de 600 fotografias da galeria Camerawork de Berlim feitas por prestigiados fotógrafos do século 20, como Cornell Camada, Elliot Erwitt, Mark Shaw e Jacques Lowe. As outras quase 100 fotografias são dos arquivos da Agência de notícias italiana Ansa e os vídeos educativos, destinados a mostrar aos jovens a história do falecido presidente, vêm da rádio televisão pública italiana RAI. A exposição contará com a famosa cadeira de balanço de carvalho de meados do século 20, comprada por um misterioso colecionador italiano a um preço próximo aos 74.000 euros (US$ 96 mil), na casa de leilões Sotheby´s de Nova York em 16 de fevereiro. O próprio prefeito de Roma, Walter Veltroni, elegeu diversas fotografias para a exposição e redigiu a introdução dos catálogos. O embaixador dos Estados Unidos na Itália, Mel Sembler, disse estar "muito feliz que esta extraordinária exposição sobre JFK, a maior já feita sobre ele, aconteça em Roma", já que isso servirá para que "o público jovem conheça a vida e sucessos deste grande protagonista do século 20". A mostra é organizada pela Embaixada dos Estados Unidos, a Prefeitura de Roma e diversos centros de estudos italianos e norte-americanos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.