Mostra revela o poder do império russo

Com um enfoque mais histórico do que artístico, a exposição A Herança dos Czares - Obras dos Museus do Kremlin de Moscou será aberta esta noite para convidados na Faap e amanhã para o público. A mostra permite que o público conheça um pouco mais dessa estranha e fascinante cultura por meio de uma seleção de aproximadamente 200 objetos, alguns deles jamais expostos fora da Rússia, reunidos no museu-fortaleza que constitui o símbolo do poderio russo. De imagens sagradas (iconografias) a peças de uso comum, como roupas e utensílios de mesa, a mostra passa em revista os mais de três séculos em que a família Romanov governou a Rússia, desde que o czar Mikhail I assumiu, em 1613, até a derrocada de Nicolau II com a Revolução de 1917. A montagem das peças segue uma cronologia precisa, com núcleos dedicados a cada um dos czares ou czarinas que governaram o país. Mas, além dessa divisão de caráter histórico mais didático, há em cada um dos blocos uma atenção mais precisa aos três elementos centrais do poderio do Império: o Estado, a Igreja e o Exército. A diretora do museu da Faap, Maria Izabel Branco Ribeiro ressalta que todas as peças selecionadas para a exposição são inéditas no Brasil. Há inclusive objetos nunca antes mostrados numa exposição, como o conjunto de vestes litúrgicas usado no início do século 19 por Moscou Filaret, canonizado posteriormente pela Igreja Ortodoxa. Outro aspecto destacado por ela é a relação ambígua, de proximidade e estranhamento, provocada por elementos dessa cultura que combina de maneira curiosa elementos da tradição oriental da qual conhecemos tão pouco com referências muito precisas da cultura ocidental. Há, por exemplo, entre as peças selecionadas, um conjunto significativo de objetos doados aos Romanovs por líderes europeus. Ou então peças adquiridas de importantes artesãos ocidentais, como o célebre ovo Fabergé encomendado por Nicolau II para presentear sua mulher no aniversário de 300 anos dos Romanovs no poder e que contém o retrato de todos os governantes dessa dinastia. Mas também há preciosidades da cultura russa, como os bordados ricamente elaborados e com tamanha precisão de detalhes que ganharam o nome de "pintura com agulha". O luxo, contrastante com a grande miséria da maioria do povo russo, era impressionante. Até os arreios de cavalos eram exuberantes em ouro e pedras preciosas, como mostra o exemplar do século 17 selecionado para a exposição brasileira. A Herança dos Czares - Obras dos Museus do Kremlin de Moscou - Museu de Arte Brasileira da Faap. R. Alagoas, 903, Higienópolis, 3662-7198. 10h/21h (sáb., dom. e fer., até 18h; fecha 2.ª). Grátis. Até 26/6. Abertura hoje, às 20h, para convidados

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.