Mostra revê influência alemã na fotografia brasileira

A fotografia brasileira do século 19 é uma das mais expressivas da América Latina. Em um dos primeiros países do mundo a se praticar a fotografia, a produção nacional da época impressiona pela qualidade e quantidade. Para isso, contou com ajudas especiais. Primeiro, com a paixão do imperador d. Pedro II, que, além de ser o primeiro brasileiro a produzir imagens, abriu as portas do País para fotógrafos do mundo. Segundo, é claro, com esses profissionais que foram atraídos tanto pelos incentivos quanto pelo desafio de revelar uma nova terra. Ocupam lugar especial nessa lista os alemães, cuja presença no Brasil foi decisiva para o desenvolvimento da produção nacional. "A influência desses fotógrafos foi tão profunda que não é de forma alguma exagero afirmar que a fotografia brasileira seria muito menos expressiva e criativa sem sua presença", diz o pesquisador Pedro Karp Vasquez.Um pouco desse registro pode ser conferido na exposição Fotógrafos Alemães no Brasil do Século 19, que será aberta nesta terça-feira no Instituto Goethe. Autor do livro homônimo lançado recentemente (à venda no instituto e nas livrarias a R$ 80), Vasquez também é curador da mostra que revela trabalhos de profissionais importantes da época, como Revert Henrique Klumb, o primeiro a realizar a fotografia estereoscópica no País; Pedro Hees, que tinha paixão pelas vistas urbanas de Petrópolis, e seu filho Otto, que registrou a última foto da família imperial em Petrópolis dias antes da Proclamação da República.As 50 fotos que compõem a exposição revelam o olhar excêntrico dos alemães perante um país novo, a ser descoberto, dono de uma natureza tão exuberante quanto seu povo. Para Vasquez, considerado um dos maiores especialistas do País, que passou cinco anos pesquisando e levantando o legado da fotografia alemã no Brasil para compor o livro, não foi nada fácil realizar a pesquisa bibliográfica e iconográfica. Além de arquivos da Biblioteca Nacional, o fotógrafo pesquisou em instituições alemãs no Brasil e na Alemanha.Para a exposição, o curador se esforçou para selecionar imagens inéditas. Ganham destaque nesse quesito as fotografias da coleção do Reiss Museum, que foram localizadas por Vasquez na Alemanha e são mostradas pela primeira vez no Brasil. Um dos maiores colecionadores de fotografia oitocentista, o carioca Waldyr da Fontoura Cordovil Pires, também ocupa papel especial no espaço, pois autorizou pela primeira vez a reprodução de imagens de sua coleção particular.Fotógrafos Alemães no Brasil do Século 19 - De segunda a quinta, das 9 às 19 horas; sexta, até 20h30; sábado, até 16h30. Instituto Goethe. Rua Lisboa, 974, tel. 280-4288. Até 31/3. Abertura às 20 horas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.