Mostra reúne robôs e obras de Cai Guo-Qiang

A crítica internacional adota quase sempre um discurso hiperbólico para falar do chinês Cai Guo-Qiang. Ele é o artista que "explodiu os parâmetros da arte de nosso tempo", reunindo em sua obra o melhor da mitologia antiga, da cosmologia taoista e da filosofia budista. Cai Guo-Qiang (pronuncia-se Tsai Guo Chang) é, além de tudo, o artista que ganhou um Leão de Ouro na Bienal de Veneza em 1999 e apresentou um avião feito de cortadores de unha na 26.ª Bienal de São Paulo (2004).

AE, Agência Estado

13 Fevereiro 2013 | 10h25

Mais conhecido como o autor do espetáculo de abertura e encerramento da Olimpíada de Pequim em 2008, ele abriu em Brasília, no dia 5, a mostra Da Vincis do Povo, que ocupa os prédios do Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) e do Museu dos Correios.

Na mostra há obras executadas por ele e invenções de camponeses chineses - que justificam o título da exposição, alusivo à genialidade do renascentista italiano Leonardo da Vinci, igualmente obcecado por objetos voadores que insistiam em cair. As da mostra são igualmente aeronaves rudimentares, de uso doméstico e igualmente destinadas à queda, discos voadores, robôs de lata que parecem saídos de O Mágico de Oz e até um simulacro de porta-aviões construído com chapas de aço galvanizado, instalado no topo do pavilhão externo do CCBB.

A mostra fica em Brasília até o fim de março, chega a São Paulo em abril e segue em julho para o Rio de Janeiro. Na Capital, Cai Guo-Qiang recebeu a reportagem para mostrar esses objetos e os gigantescos desenhos feitos com pólvora - uma stravaganza em que se destacam figuras inspiradas no carnaval brasileiro ao lado de naves espaciais e submarinos.

Da Vincis do Povo pretende, segundo ele, ser uma representação do sonho de liberdade, metaforizado nessas engenhocas voadoras e submarinas dos camponeses da China. No papel de artista curador, Cai Guo-Qiang trouxe alguns exemplares curiosos para a mostra, entre eles os destroços de um minúsculo avião feito de sucata que caiu e levou à morte seu criador, Tan Chengnian, e a esposa, em 2007.

A exposição reúne ainda aviões feitos com tubulação de esgoto sanitário, helicópteros de madeira e até um pequeno submarino pacientemente montado por um homem que hipotecou sua casa para realizar seu sonho. O submarino idealizado por Li Yuming domina o pavilhão do CCBB onde foi instalado um tanque de gelo que representa o Ártico. Cai Guo-Qiang, montado num riquixá puxado por um robô que fala - um dos 29 da exposição -, aponta mais uma contribuição de outro camponês, Wu Yulu, a quem encomendou replicantes de lata, quatro robôs que parodiam artistas ocidentais em ação.

CAI GUO-QIANG - CCBB Brasília. SCES Trecho 2, tel. 3108-7600; Museu

Nacional dos Correios. Setor Comercial Sul, Quadra 4, Bloco A, 3213-5076. Grátis. Até 31/3

As informações são do jornal O Estado de S.Paulo

Mais conteúdo sobre:
visuais Mostra Da Vincis do Povo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.