Mostra retrata os 35 anos do Balé Stagium

Em uma simples sala de ensaio localizada na Rua Sarandi, nos Jardins, nos idos de 1971, nascia, da união de Décio Otero e Marika Gidali, o Balé Stagium. Uma das principais companhias de dança do País comemora o seu aniversário de 35 anos com uma exposição de fotos organizada pelo fotógrafo Emídio Luisi, no edifício Sé, da Caixa Cultural, até o dia 25 de fevereiro.O fotógrafo dava os primeiros cliques quando o Stagium surgiu na cena paulista. Luisi captava as belas coreografias através de suas lentes. "Começamos juntos, o Stagium foi o marco inicial para mim, com eles eu aprendi a fotografia de palco, de cena", diz Luisi.A companhia tinha como propósito fugir dos tutus e dos contos de fadas e mergulhar na realidade brasileira, como por exemplo, em Quarup ou a Questão do Índio. As coreografias também surgiam inspiradas pela literatura, como Diadorim ou Quebradas de Mundaréu, adaptação do texto Navalha na Carne, de Plínio Marcos - dramaturgo perseguido pelos censores da ditadura. Essa identidade bem definida marca a organização da exposição. "Procurei apresentar essas características do Stagium, sem ser didático. A proposta é unir nos painéis a linguagem da dança com a da fotografia." O público poderá conferir 35 painéis com 70 fotos.Sem dúvida, o Balé Stagium marcou a história da dança brasileira. Agora, os interessados terão oportunidade de percorrer os momentos marcantes dessa trajetória. Luisi acompanhou os 35 anos de carreira do grupo e, como ele diz, "sem obrigação." Não era o fotógrafo oficial da companhia, mas soube como ninguém captar a intenção do coreógrafo em cada gesto. "Não tem como resumir tantos anos de história em alguns painéis. Mostro o desenvolvimento desse trabalho, desses heróis da resistência, com todo o respeito que eles merecem."O resultado de tamanha dedicação ganhará o formato de livro a ser lançado em fevereiro. O autor faz mistério, no entanto, destaca que apresentará uma síntese do Stagium. Stagium 35 Anos. Caixa Cultural . Pça. da Sé, 111, 3321-4400. 3.ª a dom., das 9 às 21 h. Grátis

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.