Mostra recupera painéis de Portinari

A concessionária Nova Dutra, que administra a rodovia homônima, e o Departamento Nacional de Estradas de Rodagem cederam em comodato ao Museu Nacional de Belas Artes (MNBA), por tempo indeterminado, quatro painéis gigantescos de Cândido Portinari (1903-1962), o conjunto denominado Monumento Rodoviário. A grande obra, que até pouco tempo estava em estado de abandono na rodovia, foi removida e instalada esta semana nas paredes de uma nova sala do museu, batizada Sala Portinari.Os painéis do Monumento Rodoviário poderão ser vistos pelo público a partir de segunda-feira, no MNBA (Avenida Rio Branco, 199, Cinelândia, Rio), ocasião da inauguração da sala. Os trabalhos integrarão exposição de obras de Portinari pertencentes ao acervo do museu. Só o seguro de uma das telas a serem exibidas, O Galo, de 1941 (considerada de grande ruptura do pintor), está fixado em US$ 850 mil."A sala onde as obras foram dispostas tem uma ampla porta aberta para a Rua México, o que permite o olhar do transeunte sobre os trabalhos", diz Heloísa Aleixo Lustosa, diretora do museu. Ela disse que o MNBA também está recendo em comodato, do filho de Portinari, João Cândido Portinari, uma obra que estava na Capela de Mairinque e, roubada em 1993, fora recuperada recentemente.Mas a estrela da mostra será mesmo o conjunto de painéis. Eles foram encomendados a Portinari em 1936 pelo Touring Club do Brasil e estavam instalados no quilômetro 73, na Serra das Araras. Têm 0,96 m x 7,68 m e temática realista, de cunho social e nacionalista - cenas de homens desbravando matas. "Até parecem feitos sobre fotografias, como fizeram os artistas da pop art e depois, os hiper-realistas", escreveu o crítico Antonio Bento em Portinari (Léo Christiano Editorial, Rio, 1980).Os trabalhos pertencem ao governo federal, que encomendou as peças a Portinari. Quando pediu as obras, nos anos 30, o então diretor da Comissão de Estradas de Rodagem Federais, Yeddo Fiuza, pediu ao artista "coisas fortes, violentas, que bem expressem a construção de estradas de rodagem em nosso País".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.