Mostra recupera história da arte espanhola

A mostra Pintura Espanhola no Chile é composta por 50 obras que resumem parte da história de quatro séculos da pintura espanhola, e será exibida hoje, pela primeira vez, aos chilenos. As obras, que pertencem ao Museu Nacional de Belas Artes de Chile estiveram esquecidas durante muitos anos no museu por problemas de orçamento.Só em 1992, o especialista espanhol Alfonso Pérez Sánchez foi ao Chile para investigar e classificar a valiosa coleção com pinturas do século 16 ao 20, de Murillo, Sorolla Zurbarán, Enrique Serra, Pérez Villamil, entre outros destacados pintores espanhóis. Sánchez, ex-diretor do Museu do Prado e atual diretor honorário desta instituição em Madri, foi convidado a voltar ao Chile para abrir a mostra ao público hoje, ao lado do diretor do museu no Chile, Milan Ivelic.A coleção, que nunca havia sido exibida completa, no Chile, é parte do patrimônio do Museu Nacional de Bellas Artes desde sua criação, em 1910, quando foi comemorado o centenário da Independência. Justamente para comemorar a data, houve uma grande mostra internacionald e pintura e o Chile comprou várias obras, iniciando uma série de coleções estrangeiras que logo foram incrementadas com doações de famílias poderosas do país. A espanhola era a coleção mais numerosa e contava com obras doadas anteriormente, como La Anunciación, de Jacomart-Reixach, do século 15 e San Fracisco en Oración, de Zurbarán, do século 17. Perez Sánchez confirmou, através de sua investigação que tratavam-se de obras chave na história da arte espanhola, entre elas, obras que ainda não haviam sido registradas e outras que só havia visto em livros. A mostra foi montada o ano passado na Espanha pelo ex-diretor do Museu do Prado e exibida em Madri, Valência, Salamanca,Sevilha, Málaga e Zaragoza, entre outras cidades.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.