Mostra propõe diálogo entre Brasil e Equador

Pela primeira vez o Memorial da América Latina faz um especial Brasil-Equador reunindo 23 artistas. A exposição Diálogo Arte Contemporânea terá a missão de romper uma tradicional distância cultural entre os dois e apresentar suas produções recentes. Os cerca de 150 trabalhos - 12 equatorianos e 11 brasileiros - serão expostos a partir desta quarta-feira em São Paulo e em setembro viajam a Quito.Para que a integração fosse completa, as curadoras Leonor Amarante, (do Brasil), e Mary Lou de Hay, (do Equador), reuniram na Galeria MartaTraba diversas formas de expressão, como fotografia, desenho, pintura, escultura, instalação, vídeo de jovens artistas de cada país."Os equatorianos são muito expressivos, mas os trabalhos da exposição não têm característica de cor, ao contrário do que muitos pensam, por terem como referência o artesanato andino, a arte popular", adiantou Leonor.Os brasileiros Emanoel Araújo e Flávio Shiró e o equatoriano Enrique Tábara receberão "homenagens metafóricas", segundo Leonor. Os três artistas já consagrados serão os pontos-chaves da mostra, que tem como intuito mostrar o trabalho de artistas jovens.Segundo Mary Lou, que trabalha em conjunto com Iván Cruz, o acervo trará "representantes de diferentes correntes, que evocam tanto os conflitos urbanos como as marginalizações históricas ou contemporâneas".Entre os brasileiros estarão: Albano Afonso, Arthur Lescher, Hudnilson Jr, José Spaniol, Luiz Zerbini, Márcia Xavier, Mario Cravo Neto, Monica Nador e Pazé. Do equador virão: Diego Cifuentes, John Hay, Jorge Velarde, Larissa Marangoni, Lucia Chiriboga, Manuela Ribadeneira, Marcelo Aguirre, Miguel Varea, Pepe Avilés, Ramiro Jácome e Wilson Paccha Segundo Leonor Amarante, a iniciativa da mostra teve origem mútua dos dois países e se concretizou com os trabalho também de Vera Pedrosa e Lulu Librandi. Os organizadores do Memorial pretendem estender este projeto a outros países andinos. Palestra - Na quinta-feira, às 19h30, na Biblioteca Latina-Americana do Memorial, haverá o debate Diálogo Latino-Americana de Arte Contemporânea. Com a presença dos curadores da exposição Leonor Amarante, Mary Lou de Hay e Iván Cruz, o diretor-presidente do Memorial Fábio Magalhães, a embaixadora do Brasil no Equador Vera Pedrosa, o curador do MAM Tadeu Chiarelli e os críticos de arte Olívio Tavares de Araújo e Milagros Aguirre (equatoriana).Diálogo Arte Contemporânea Brasil/Equador Brasil - Galeria Marta Traba de Arte Latino-Americana. De Terça à Domingo, das 9 às 18 horas. Entrada franca. Fundação Memorial da América Latina fica na Av. Auro Soares de Moura Andrade, 664 - Barra Funda. Telefone: 3823-9725. Até 17/09.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.