Divulgação
Divulgação

Mostra no Sesc Belenzinho em SP explora universo de Pinóquio

Artistas brasileiros e estrangeiros recriam obra, em exposição voltada para o público infantil

AE, Agência Estado

18 Julho 2012 | 11h22

A história do boneco de madeira, criado pelo velho carpinteiro Gepeto, que quer se tornar gente ficou impregnada nos imaginários infantil e adulto graças à clássica animação Pinóquio, dos estúdios Disney, de 1940. Até alcançar seu objetivo, acompanhado pelo Grilo Falante fazendo o papel de sua consciência, o garoto passa pelas mais diversas aventuras, nem sempre se valendo da verdade - o que lhe rende mais encrencas e o nariz crescido a cada mentira. Lembrada no cinema também pelo ator e diretor Roberto Benigni, de A Vida é Bela (1997), que - um tanto grandinho - protagonizou e dirigiu um filme sobre Pinóquio em 2002, a história foi criada pelo escritor italiano Carlo Collodi, que começou a publicá-la em capítulos em um jornal, em 1881. E é justamente o livro original que serve de inspiração para a exposição Pinóquio: Uma Bela Arte, que abre nesta quarta-feira, 18, para o público, no Sesc Belenzinho.

A ideia de montar o evento surgiu da constatação da artista ítalo-brasileira Vera Uberti de que as exposições voltadas ao público infantil eram escassas na cidade. "As pessoas crescem sem ter o costume de visitar mostras de arte, com medo de arte", afirma ela.

A escolha de Pinóquio para aproximar as crianças do universo da arte, explica Vera, se deu pelas características do personagem, que é um tanto rebelde, inconformista e quer ir além - perfil que, segundo ela, também se assemelha ao dos artistas. "Ele é protagonista da sua própria vida. Toma suas atitudes, assume seus riscos, sofre com as consequências de seus atos. Mas ele não é bom, nem ruim. Tem momentos em que faz coisas legais, momentos em que erra, se arrepende. Acho que Pinóquio somos todos nós, no final das contas", analisa Vera.

Vera convidou artistas brasileiros e estrangeiros que tinham a ver com a sua concepção da mostra, e que criaram trabalhos originais. A exceção é a obra O Peixe Gigante, do artista espanhol Martí Guixé, que já existia. De papelão, com sete metros de comprimento, ela fica no núcleo Monstro Marinho e remete ao ser que, no livro, engole Pinóquio - na versão da Disney, uma baleia. A criança pode ficar agachada no interior do bicho.

Em paralelo à exposição, o Sesc Belenzinho programou atividades, como espetáculos teatrais, oficinas e contação de histórias, tudo relacionado ao garoto de madeira. Na entrada da unidade, um boneco de 4 metros de altura, o Auto-Pinóquio, do artista Maurizio Zelada, convida a criançada a entrar no universo da arte.

As informações são do Jornal da Tarde

PINÓQUIO: UMA BELA ARTE

Sesc Belenzinho (Rua Padre Adelino, 1.000, Belenzinho). Tel. (011) 2076-9700. De quarta a 18/11. Terça a sexta, das 10h às 21h30; sábados, das 10h às 21h; domingos e feriados, das 10h às 19h30. Grátis. Livre.

Mais conteúdo sobre:
exposição Pinóquio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.