Mostra latino-americana de dança

Qual o significado da dança contemporânea na América Latina? Poucas informações e referências chegam até nós, brasileiros, sobre o movimento, as companhias e os artistas da dança fora daqui e em países próximos. Com a intenção de preencher essa lacuna e promover o intercâmbio cultural entre países começa amanhã a Mostra Latino-Americana de Dança Contemporânea, o Contradança, que fica em cartaz até domingo, no Teatro Hilton, com entrada franca.Contradança conta com representantes da Argentina, Chile Uruguai e, claro, do Brasil. A proposta é mostrar diferentes linguagens e estilos com a intenção de gerar discussões e debates sobre os espetáculos. Para abrir o evento, a companhia chilena de Isabel Croxatto, com a coreografia Animal Humano. O grupo nasceu em 1993, tendo como tema de inspiração para criar suas coreografias o patrimônio histórico e cultural. Em Animal Humano o grupo presta homenagem à marginalidade do artista Pablo de Rokha.O público também será homenageado com a presença da uruguaia Graziela Figueroa. A coreógrafa e bailarina é uma figura de destaque no cenário nacional. Nos anos 70, atuou ativamente no País e trouxe as efervescentes novidades de Nova York para a jovem dança contemporânea brasileira.Graziela dançou com Twayla Tharp e considera a criadora americana como um influência em seu trabalho. "Vivíamos um momento experimental, muito criativo, com uma série de inovações como a participação das bailarinas na realização de um coreografia", lembra. "Artistas como Twayla, Martha Graham, Merce Cunningham e todas as experiências que colhi nos Estados Unidos estão presentes em minhas peças até hoje."No Brasil, Graziela fundou o grupo Coringa ? Deborah Colker integrava a companhia. "Às vezes sinto como se eu fosse brasileira, trabalhei muito aqui, foi um país que abriu muitas portas profissionais e o Coringa foi a pedra fundamental para minha carreira, tínhamos uma relação de profundo respeito dentro da companhia", diz. "Também tive contato com pessoas como Klaus e Angel Viana, que ampliaram a minha visão sobre a dança, artistas completos e iluminados." Atualmente Graziela vive em sua terra natal, mas tem contato com o Brasil. "Estive aqui há um ano e pude conferir a diversidade dos grupos e companhias brasileiros, é impressionante."Na quinta-feira, o público poderá conferir a atuação da coreógrafa. No palco Molto Vivace, com o grupo Espacio. A coreografia nasceu dentro do Espaço de Desenvolvimento Harmônico um local democrático que promove o diálogo entre a dança, o teatro, o canto e a música. "A concepção da coreografia começou como uma co-produção. Fiquei empolgada ao ver o artista plástico Ricardo Yates pintar um quadro durante a execução das músicas de Popo Romano, então resolvemos incluir a dança", explica.Na mesma linha e vinda do mesmo lugar, o Uruguai, Daniela Pássaro traz AereaAerea, uma parte do projeto Allez Hop! que desenvolve a comunicação entre a dança com o videoclipe na sexta. Um espetáculo que explora a leveza e os sonhos. Em contrapartida, a companhia Alquimia, da Argentina, mostra a densidade de Fuego e La Ira .Para encerrar o Contradança um representante brasileiro - Os Repentistas do Corpo. Criada em maio por Sérgio Rocha, a companhia bebe na fonte da diversidade cultural brasileira para realizar Cordel Encorpado. Rocha pretende levar ao público um musical renovado, com uma linguagem que mescla o cordel, com suas rimas e seu ritmo, com a improvisação.A inspiração para o espetáculo foi o poema Quinguigu do paraibano Carlos Cavalcanti. Trechos de textos, outros poemas e cordel misturam-se aos sons de percussão - corporal e vocal ? criados pelos próprios bailarinos. O figurino, criado pelo elenco, foi inspirado em bonecos de cerâmica e no artesanato nordestino.Serviço - Contradança. De quarta a sábado, às 21 horas; domingo, às 19 horas. Grátis. Teatro Hilton. Avenida Ipiranga, 165, tel. 3259-6508. Até 16/12

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.