Mostra Internacional de Dança: novas tendências

As novas e principais tendências da dança contemporânea mundial estarão em São Paulo a partir desse sábado, e até o dia 28, para as apresentações e debates da Mostra Internacional Sesc de Dança. O festival ocorre paralelamente ao Panorama RioArte de Dança, que termina dia 29 e conta com a participação dos mesmos coreógrafos internacionais, entre eles o alemão Tom Plischke, os franceses Xavier Le Roy e Maguy Marin, a portuguesa Vera Mantero, todos partidários da dança como forma de expressão e pensamento.A proposta desses festivais é intensificar o intercâmbio artístico e cultural e arejar o cenário da dança nacional. Dessa forma o público poderá trocar idéias com os próprios artistas e com especialistas da área via workshops e debates. Os grupos convidados apresentarão seus trabalhos e depois iniciam-se as discussões.A Mostra Internacional começa no Sesc Belenzinho com o espetáculo Affects, de Tom Plischke. A coreografia foi inspirada em Afetos Humanos, de Dore Hoyer, uma bailarina expressionista, e aborda as emoções humanas dividida em três temas: O Trauma do Nascimento, Desejo e Prazer e Affectos Humanos.Pischke é considerado uma das revelações da dança e tem uma formação peculiar: cursou história da arte e filosofia e, só depois, dança. "Estudei uma série de filósofos como Nietzsche, Heidegger, Foucault, meu preferido, entre outros, e depois, quando já estava fora da Universidade, fiz parte da P.A.R.T.S. - lá havia algo de filosofia e sociologia nas leituras que eles faziam da dança", conta o coreógrafo alemão.Quanto à composição de Affects, ele explica: "Eu e Martin Nachbar assistimos ao vídeo Affectos Humanos, de Dore Hoyer, e percebemos imediatamente o impacto do trabalho; então, pensamos como poderíamos colocar aquelas idéias em um corpo pós-moderno". Segundo ele, a influência de Dore na criação do trabalho foi imensa, principalmente por ela ter sido uma das mais importantes artistas da dança expressionista alemã. "Ficamos estupefatos com a intensidade e habilidade dela em personificar os afetos." Para a execução do projeto eles chamaram Joachim Gerstmeier, responsável pela dramaturgia da coreografia, que tem como referências os pensamentos de Deleuze e Spinoza."Como tema elegemos a memória no contexto da reconstrução, da seguinte maneira: desaparecimento e memória visual; similaridade e memória visual; corpo democrático, impossibilitado e memória inconsciente; indiferença e reconstrução", detalha Plischke. DivulgaçãoCoreografia de Maguy Marin, da FrançaComo não houve imposição de tema pelos curadores, Vera Mantero fala sobre a liberdade em Poesia e Selvageria. Ainda do núcleo português, Lilia Mestre e Davis Freeman apresentam Untitle Me - uma mulher que se perde entre a realidade e ficção; e Monica Lapa apresentará Miss Liberty. Miguel Pereira e Antonio Tagliarini ressaltam a função do intérprete na obra, em Antonio Miguel.O francês Xavier Le Roy questiona a percepção em Self Unfinished e a consagrada Maguy Marin traz May B, inspirada em Samuel Becket, e Quoi Qui I En Soit, que também aborda a importância do intérprete.Mostra Internacional Sesc de Dança. Tom Plischke e seu grupo apresentam Affects. Sábado, às 19 e 22 horas; domingo, às 19 horas. De R$ 4,00 a R$ 10,00. Teatro do Sesc Belenzinho. Avenida Álvaro Ramos, 991, tel. 6096-8143. Até 28/10

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.