Mostra expõe o Brasil carnavalizado

A história oficial do Brasil sempre correu paralela à sátira ou à paródia, especialmente no carnaval. Aproveitando a proximidade da folia, a Casa de Ruy Barbosa abre nesta quinta-feira a exposição Do Guarani ao Guaraná: História, Humor e Nacionalidade, com textos, fotos, desenhos e músicas que rememoram nosso passado, do tempo do império até os anos 90. "Não falamos só de carnaval, mas da carnavalização da nossa cultura, que sempre ocorreu e foi tão bem descrita nos textos dos modernistas", explica a coordenadora da mostra, a historiadora Mônica Velloso.O acervo veio da própria Casa de Ruy Barbosa, da coleção de Plínio Doyle, da Fundação Nacional de Arte (Funarte), dos museus do Teatro e da Imagem e do Som (MIS) e até do arquivo particular da diretora do setor de História da instituição, Rachel Valença. "É uma produção que, à época em que chegou ao público, foi julgada com um desdém, longe da alta cultura, mas que influenciou nosso imaginário. Hoje, ajuda a contar nossa história", lembra Mônica, também curadora de um dos cinco módulos da exposição, Reinventando a História.Os outros são O Brasil pelo Método Confuso, baseado no livro do mesmo nome de Fradique Mendes; Desde o Tempo de Cabral que Existe Carnaval, abordando músicas que falam do Descobrimento num tom de humor; A Charge, com o material publicado na imprensa sobre o mesmo assunto; e O Teatro Musical Ligeiro, com fotos e programas das revistas musicais desde o início do século passado. "Através dessas paródias e sátiras, podemos entender como o brasileiro sempre se viu e como formou sua identidade", explica a coordenadora da exposição.Reproduções das revistas Semana Ilustrada, de 1860, e Careta, que durou até os anos 50, mostram como o comentário foi se tornando mais ácido com o passar dos anos. No setor musical, uma curiosidade é a música Salada Portuguesa, de 1935, tentando mostrar como se formou nossa cultura. E a própria marchinha de carnaval, Descobrimento do Brasil, de Lamartine Babo, da qual foi tirado o título da exposição. A mostra vai até o fim de abril.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.