Mostra em SP reúne painéis em madeira reaproveitada

"Na Natureza, nada se cria, nada se perde, tudo se transforma", bem dizia Lavoisier. Foi acreditando nessa premissa que a artista plástica Lara Donatoni Matana, 41 anos, passou a olhar para pedaços de madeira e árvores antigas com uma visão bem diferenciada. A paulista nem imaginava que a brincadeira se tornaria uma prazerosa profissão. A partir das 10h de amanhã, ela abre a mostra Caleidoscópio, na Galeria Lourdina Jean Rabieh, em São Paulo. Na exposição, ela mostrará 11 painéis compostos de finas lâminas de madeira reflorestada, coloridas uma a uma e que fazem referência às rosáceas góticas, aos arabescos e às mandalas orientais, além de expor uma escultura de um caleidoscópio que imita uma bola de futebol, aproveitando o clima da Copa.

AE, Agência Estado

21 de junho de 2010 | 11h13

Lara nasceu em Andradina, interior de São Paulo, e aos 13 anos mudou-se com toda a família para Cuiabá, o que ela acredita ter colaborado para que se interessasse por elementos da natureza. Aos 22 anos, fez o primeiro curso de pintura. Oito anos depois, em 1999, visitou uma exposição de obras bidimensionais de madeira que a despertou para pesquisar mais sobre o assunto. "A gente precisa abrir os horizontes e saber que tudo realmente pode ser aproveitado. Olhar e perceber que nem tudo que está sendo descartado é lixo", diz.

Como o trabalho com madeiras envolve serviços de marcenaria, ela precisou de um local apropriado para seu ateliê. Atualmente, Lara trabalha com mais cinco ajudantes num barracão de uma chácara que fica a 10 quilômetros de sua residência, na capital mato-grossense. Mas como todo artista plástico, ela também deixa seus rastros pela casa. "Fiz um show room em casa e abri um espaço para exposições, pois não havia nenhum em Cuiabá", conta.

A artista declara que muitas pessoas conhecem o seu trabalho e acabam ligando para oferecer madeiras e árvores que não vão aproveitar. "Elas me ligam e dizem: ''cortei uma árvore na minha casa. Você quer ficar com a madeira?'' Já recebi várias doações assim", diz. "Em alguns casos, tentei convencê-los a não cortar as árvores, mas as pessoas não têm muita consciência e paciência para cuidar, limpar as folhas".

Certo dia, Lara estava a caminho do seu ateliê e viu, jogada no pasto de uma fazenda, uma árvore linda. Ela resolveu descobrir a quem pertencia e acabou descobrindo que conhecia o proprietário da fazenda. "Ele achou ótimo que eu quisesse reaproveitar a árvore. A madeira dela virou uma mesa linda, com uma base parecida com uma saia godê", lembra. Por histórias assim, Lara acredita que não precisa agredir o meio ambiente para ter luxo. "A gente vive como cupim, degradando a nossa própria casa. Meu trabalho luta contra isso". As informações são do Jornal da Tarde.

Caleidoscópio - Galeria Lourdina Jean Rabieh (Al. Gabriel Monteiro da Silva, 147, Jardins). Tel. (011) 3062-7173. Seg. a sex., das 10h às 19h. Sáb., das 10h às 14h. De amanhã a 24/7. Grátis.

Tudo o que sabemos sobre:
exposiçãomadeirareflorestamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.