Mostra destrincha influência britânica no Brasil

Bastaria mencionar o futebol para ilustrar de forma categórica a grande influência da cultura britânica sobre o Brasil. Afinal, mesmo que em baixa atualmente, o esporte que veio da ilha da Inglaterra continua sendo o esporte nacional por excelência. Mas centenas de outros exemplos do enorme peso exercido pelos britânicos na formação brasileira foram sendo reunidos na exposição Os Britânicos no Brasil, que abre as portas nesta terça-feira, coincidindo com a visita à cidade do primeiro-ministro Tony Blair, que deverá inaugurá-la pessoalmente.Trata-se de uma exposição mais histórica do que artística, que reúne os mais diferentes documentos e objetos para narrar a longa convivência entre brasileiros e britânicos. Após seis meses de pesquisa em várias instituições dos dois lados do Atlântico foram reunidos mais de mil fotografias e 350 objetos curiosos, que vão desde pinturas à objetos de cozinha, passando pelos registros científicos como mapas, desenhos da flora e fauna, até projetos de investimentos importantes. Para ilustrar a importância do investimento e da tecnologia britânica no desenvolvimento da malha ferroviária brasileira, estão à mostra na exposição duas maquetes com dois trechos de ferrovia, representando o trecho Paranapiacaba - Piaçaguera e da antiga São Paulo Railway.A organização da mostra, que ocupa uma área de 500 metros quadrados no Centro Brasileiro Britânico e que tem curadoria do museólogo Julio Abe Wakahara, segue dois eixos. Há um critério temático e outro cronológico. Foram organizados quatro blocos centrais: economia, sociedade, cotidiano e ferrovia. E, na medida do possível, foi coberto todo o espaço de tempo entre os primeiros contatos entre britânicos e brasileiros - iniciado com as incursões dos corsários que vinham buscar tesouros nas costas do território recém-descoberto, no século 16 - até depoimentos gravados por descendentes de britânicos que adotaram o País como residência. Como diz Abe, trata-se de uma uma exposição histórico-comunitária, que resgata pela primeira vez a história dessa comunidade no País e que tem algumas especificidades interessantes, já que enquanto italianos, japoneses e outros vieram ao País fugindo da depressão econômica em seus países, os antepassados dos britânicos estavam no auge da revolução industrial e vieram gerenciar esse capital.Além da seleção de objetos - que reservam lances curiosos, como a bola e um boné do time inglês Corinthian-Casuals Football Club que visitou o País em 1910 e inspirou o nome do que viria ser o Corinthians -, a exposição também levou a realização de um catálogo bastante extensivo, com textos de vários especialistas. Aracy Amaral e Carlos Eugênio Marcondes de Moura são os autores do texto Britânicos no Brasil: Modos de Ver. Modos de Viver, que propõe uma análise das interelações histórico-culturais entre os dois povos passando evidentemente pela íntima relação entre ingleses e portugueses. Afinal, como afirmam os autores, "o Brasil foi muito colonizado pelos britânicos, pelas mãos dos portugueses". Ana Luiza Martins escreve sobre os aspectos econômicos da presença britânica no Brasil; e Cecília Rodrigues dos Santos e Maria Inês Mazzoco tratam da questão das ferrovias.Os Britânicos do Brasil. De segunda a sexta, das 10 às 19 horas; sábado, das 10 às 13 horas. Centro Brasileiro Britânico. Rua Ferreira de Araújo, 74, tel. 3039-0567. Até 29/9. Abertura amanhã (31), às 11 horas, para convidados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.