Mostra de dança ganha edição ampliada

Não são só os cinéfilos que têm motivos para comemorar essa semana. Os amantes da dança contemporânea também podem festejar. Começa amanhã a Mostra Internacional Sesc de Dança, com participação de seis companhias estrangeiras, 21 do Estado de São Paulo e 9 de outros Estados. O festival é o segundo com esse nome, mas o primeiro de grande porte. No ano passado, somente grupos internacionais se apresentaram. Agora, serão dez dias de espetáculos, em onze Sescs - Belenzinho, Consolação, Interlagos, Itaquera, Pompéia, Vila Mariana, Carmo, Ipiranga, Santo Amaro, São Caetano e Pinheiros."Nosso objetivo é proporcionar a democratização da dança, por isso fizemos questão de levar espetáculos para várias unidades, de cobrar preços baixos e de organizar uma programação paralela para que as pessoas entendam o que é a dança contemporânea", explica Rosana Arruda, coordenadora técnica da Mostra. No programa Vias de Acesso, por exemplo, os interessados poderão participar de encontros com os bailarinos, durante as montagens (dias e horários estão no site do Sesc, indicado abaixo) - e depois dos espetáculos. O espetáculo The Moebius Strip, da companhia do suíço Gilles Jobin abre a Mostra amanhã, às 21 h, no Sesc Pompéia. A coreografia foca a qualidade do movimento, por isso o tablado, onde se realiza, é dividido em partes, e os corpos funcionam como linhas no espaço. Às 22 h, têm início outras perfomances, como Memento Para Autômatas, de Wilson Sukorski, Concerto de Bolso, de Sukorski e Livio Tragtemberg, a vídeo-instalação Corpo Móvel, de Luiz Duva. Ainda se apresentam os DJs Xerxes, Patife, Lica Marques e Will Robson. Na quarta-feira, começa a programação nas outras unidades. Segundo Rosana, os destaques, além de Gilles, são Boris Charmatz, o Ballet Preljocaj, ambos da França, e Thomas Lehmen, da Alemanha. "Esses quatro trazem os maiores contrastes entre os pensamentos de dança contemporânea da Mostra." A grande quantidade de grupos paulistas também tem explicação. "Demos ênfase à produção de São Paulo, devido às dificuldades que encontra para se apresentar, mas a idéia geral é abrir as portas para companhias experimentais, que estejam produzindo." Alguns exemplos nacionais são as paulistas Gilsamara Moura, Vera Sala e Oito Nova Dança, a carioca Márcia Milhazes, a paranaense Verve Cia de Dança e a cearense Cia da Arte Andanças Vagarezas e Súbitos. Para ocupar a futura unidade do Sesc, no prédio onde funcionava a loja Mesbla, na esquina das Ruas 24 de Maio e Conselheiro Crispiniano, foi organizado um evento especial, chamado de Laboratório de Perfomances (de segunda a sexta, das 11 h às 17 h e sábado, das 10 h às 13 h). O intuito é que as pessoas possam "experimentar a dança e o espaço", por isso a entrada será gratuita. Lá dentro, bailarinos dançarão para ou com os visitantes. Em alguns momentos do dia, haverá performances na vitrine que irão "dialogar com quem estiver na calçada". A concepção cênica do espaço é assinada por Daniela Thomas. Durante a Mostra ainda serão realizados cursos, para os iniciados em dança, vídeo-instalações e outros encontros entre artistas, coreógrafos e público. Mostra Internacional Sesc de Dança - de amanhã a 01 de novembro. Ingressos por espetáculo: R$ 10. Programação no site: www.sescsp.com.br. Informações: 0800-118220.

Agencia Estado,

22 de outubro de 2001 | 14h02

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.