Mostra de Botero sobre violência na Colômbia retorna ao Brasil

Exposição vai percorrer as capitais Brasília, Curitiba, Rio de Janeiro e Salvador

EFE,

11 de março de 2011 | 15h48

RIO- A exposição A Dor da Colômbia, composta por 67 obras do pintor e escultor colombiano Fernando Botero, retorna ao Brasil a partir da próxima semana após o sucesso que obteve em 2007 quando em um mês foi vista por 25 mil pessoas em São Paulo.

 

A exposição das impactantes pinturas sobre a violência colombiana que o artista doou ao Museu Nacional da Colômbia entre 2004 e 2006 irá a Brasília, Curitiba, Rio de Janeiro e Salvador, informou nesta sexta-feira a Aori Produções Culturais, responsável pela mostra.

A nova etapa brasileira da exposição que já viajou por várias cidades europeias e latino-americanas será inaugurada na próxima terça-feira em Brasília e permanecerá até 1º de maio na sede da Caixa Cultural, com entrada gratuita.

 

 

 

A visão de Botero sobre a violência gerada na Colômbia por grupos guerrilheiros, paramilitares e narcotraficantes irá em seguida para o Museu Oscar Niemeyer de Curitiba, entre 18 de maio e 10 de julho.

 

No Rio de Janeiro, a mostra estará entre 13 de setembro e 30 de outubro, e em Salvador entre abril e maio de 2012.

 

A exposição, composta por seis aquarelas, 36 desenhos e 25 óleos, traz as inconfundíveis figuras rechonchudas de Botero, mas amordaçadas, vendadas ou agredidas, retratando a dor do povo colombiano durante seis décadas de violência.

 

Entre as obras, produzidas entre 1999 e 2004, o destaque fica para uma série de mulheres que choram por seus filhos assassinados, assim como imagens de corpos devorados por abutres e reféns torturados.

 

"Sempre quis trazer essa coleção de volta ao Brasil. O conjunto dessa obra mostra como a arte pode denunciar a violência e propõe uma reflexão sobre a sociedade", afirma a produtora executiva da Aori, Denise Carvalho. EFE

Tudo o que sabemos sobre:
exposiçãoBotero

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.