Mostra conta história de Américo Vespúcio

Concebida como uma contribuição italiana às comemorações dos 500 anos do Descobrimento, a exposição Américo Vespúcio Entre Florença e Brasil é, na verdade, uma pequena mas sedutora aula de história, montada para contar a trajetória desse florentino e o papel vital que ele desempenhou em sua época, contribuindo bem mais para a história das Américas do que o simples fato de ter dado seu nome ao novo continente.A mostra - que já circulou por várias cidades brasileiras e encerra a turnê por São Paulo, onde será inaugurada nesta terça-feira à noite - reúne poucas obras, várias reproduções fotográficas e alguns fascinantes exemplos de livros e instrumentos de época, como um astrolábio e um compasso marítimo que datam de 1500. Há dois blocos principais que norteiam o evento. No primeiro deles estão as peças ligadas à história pessoal e à origem de Américo Vespúcio (1454-1512), que nasceu - e foi educado - em Florença em pleno renascimento mas notabilizou-se pelas viagens que fez em frotas espanholas e portuguesas.Descendente de uma família tradicional da rica Florença, Vespúcio embarcou para a América em 1499, tendo chegado ao Brasil poucos meses após Pedro Álvares Cabral. Não se sabe ao certo se ele esteve duas ou quatro vezes no que viria a ser o Brasil, mas é certo que coube a ele dar alguns dos nomes ainda utilizados por nós, como o do Rio São Francisco.Neste grupo incluem-se o retrato do navegador feito postumamente por Cristofano dell´Altissimo, que pertence à Galeria Uffizi de Florença e é a única pintura original da exposição. Também podem ser vistos interessantes obras sobre papel, como as árvores genealógicas da família Vespúcio ou gravuras de época mostrando como era Florença no início do século 16.Há também na exposição algumas reproduções fotográficas com o objetivo de mostrar o vigor das artes no período, assinadas por grandes nomes do renascimento como Domenico Ghirlandaio e Sandro Botticelli. No afresco Deposição, pintado por Ghirlandaio por volta de 1475, por exemplo, é possível ver o jovem Américo Vespúcio à esquerda, observando Jesus Cristo sendo retirado da cruz.No segundo bloco da mostra estão as obras referentes às navegações e suas descobertas, para as quais Vespúcio muito contribuiu. Ele era mais do que um navegador, tendo uma rica formação intelectual e científica, com vastos conhecimentos em campos importantes como astronomia e botânica, explica Andrea Chiavacci, um dos organizadores da mostra em sua passagem pelo Brasil. Ele também desenvolveu importantes atividades no campo financeiro e foi a partir das atividades comerciais e financeiras que desenvolveu em Sevilha, na Espanha, que ele acaba se engajando nas expedições ao Novo Mundo.São reproduções de desenhos retratando os exóticos animais encontrados durante as expedições; um atlas copiado pelo tio e tutor do navegador, Giorgio Vespucio, em meados do século 15; cartazes e livros; assim como um interessante mapa original feito entre 1508 e 1510, que mostra como o mundo era visto naquele momento. Para matar um pouco mais a curiosidade daqueles que se interessam pelo tema, foi editado com a exposição um catálogo com textos que esmiuçam a vida e a obra de Vespúcio, assim como o turbulento e rico período histórico em que viveu.Américo Vespúcio Entre Florença e o Brasil - De terça a domingo, das 10 às 18 horas. Memorial da América Latina - Galeria Marta Traba. Avenida Auro Soares de Moura Andrade, 664, tel. 3823-9611. Até 26/10. Abertura, amanhã (03) às 19h30. Patrocínio: Banco BML do Brasil.

Agencia Estado,

02 de outubro de 2000 | 21h03

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.