Mostra celebra Athos Bulcão em Brasília

A exposição Athos Bulcão:Construção & Poesia, em cartaz até 26 de janeiro na unidade doCentro Cultural Banco do Brasil de Brasília, é mais do que umabela homenagem ao artista que ajudou a construir a identidadevisual da capital nacional. A mostra é um apanhado bastanteamplo da rica e múltipla produção que esse homem de 84 anos vemdesenvolvendo um tanto silenciosamente desde a década de 50. É certo que todos conhecem - mesmo que não saibam quesão dele - os painéis e murais criados por ele para prédioscélebres de Oscar Niemeyer e João Filgueiras Lima, o Lelé (comdestaque neste último caso para as belíssimas composições quefez para os prédios da rede de hospitais Sarah Kubitschek, emque se revela um mestre colorista). Aliás, um aspectointeressante da mostra é que o visitante pode compor ele mesmoum painel a partir de elementos seriais criados para o artista. Mas também está lá presente o lado íntimo de suaprodução, que ficou reduzido a um público mais restrito. E nãose trata de uma produção pequena, como mostram as 45 máscaras,12 painéis cerâmicos, 20 desenhos e oito pinturas efotomontagens dos anos 50 presentes na exposição. Como afirma ocurador da mostra, Marcus Lontra, "´Athos Bulcão´ é um dos maisimportantes artistas brasileiros modernos". Convém ressaltarainda que ele é o único dos arquitetos e artistas ligados àconstrução de Brasília que optou por morar lá. Sua obra está intimamente ligada à capital. Não apenasajudou a construí-la como a trouxe para dentro de sua obra."Athos deixou-se encantar com o céu de Brasília, com a terravermelha e ressecada da região. As suas pinturas embatem-sedentro dessa paisagem, entre a ordem e o caos, entre aluminosidade e a aspereza", resume Lontra.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.