Mostra capta imagens e sons de São Paulo

Mistura de fotografias antigas e contemporâneas, música e texto para contar o desenvolvimento de São Paulo. Assim é a mostra que o Museu da Imagem e do Som (MIS) inaugura hoje, Panoramas SP, com curadoria de Miguel Paladino. A mostra, com obras nunca expostas do acervo do museu, está dividida em cinco módulos: Iconografia de Boteco, Recortes da Paisagem, Panoramas, Fotógrafos Contemporâneos e Panoramas da Periferia.Uma tela panorâmica de 1922 de Valério Vieira (1862-1941), considerada a maior obra fotográfica do mundo, com 14,2 m x 1,6 m, faz o contraponto com uma panorâmica atual, de Olavo Simões. Assim começa o eixo da mostra, que em outro módulo estabelece relação entre imagens sobre dez temas: Anhangabaú, Catedral da Sé, Skylines, Lavadeira, Avenidas, Praças, Martinelli, SP Dia e Noite, Rio Tietê e Metrô Sumaré. Com textos de Alcântara Machado, Blaise Cendrars, Mário e Oswald de Andrade.Seguem-se mais contrapontos. Fotos históricas de grandes nomes, como Guilherme Gaensly, Henri Ballot, Hildergard Rosenthal e Militão Azevedo, estão ao lado de obras contemporâneas de Vidal Cavalcante, do Estado, Juvenal Pereira, Ding Musa, Jaques Faing e João Musa, entre outros, mostrando o olhar curioso de repórteres fotográficos. Também representando visões contemporâneas, estão os trabalhos autorais de Antônio Saggese, Cassio Vasconcellos, Cristiano Mascaro, Gal Oppido e Rubens Mano. Há ainda obras realizadas por Carlos Matuck, uma série de imagens de Alex Vallauri sobre detalhes de bares paulistanos, pin-holes feitas por jovens da periferia em oficina coordenada por André François e a possibilidade de conhecer arquivos sonoros do MIS.Panoramas SP. De terça a sexta, das 14 às 22 horas; sábado e domingo, das 11 às 20 horas. MIS. Avenida Europa, 158, tel. 3062-9197. Até 30/5. Abertura hoje, às 20 horas.

Agencia Estado,

20 de abril de 2004 | 14h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.