Mostra britânica documenta 500 anos de calcinhas

As peças mais antigas da mostra são do período Tudor, de 1845

Da BBC Brasil, BBC

30 Janeiro 2008 | 08h40

Uma exposição na Grã-Bretanha destacará peças íntimas femininas dos últimos 500 anos para mostrar as mudanças no estilo das lingeries ao longo da história. A exposição Knickers! 500 years of Underwear (Calcinhas! 500 anos de Peças Íntimas, em tradução livre), traz cerca de 100 modelos de roupas íntimas, como calcinhas, sutiãs e camisolas. Entre as peças em exposição, as mais antigas são as do período Tudor, na Inglaterra, que compreende os anos entre 1485 e 1603. A exposição traz ainda peças íntimas da era vitoriana (1837-1901) e do período pós-guerra, em que o design das calcinhas passou a ganhar contornos mais femininos, sensuais e estilosos. Raridades Um dos destaques da mostra são as peças históricas do chamado Hodson Shop, uma coleção de peças íntimas femininas das mulheres da classe trabalhadora da Inglaterra. A loja Hudson começou com duas irmãs, Flora e Edith Hodson, em 1918. As irmãs venderam tecidos, roupas infantis e lingerie durante 40 anos. Com a morte da última irmã, Flora, em 1983, milhares de peças íntimas femininas foram encontradas no estoque da loja. A coleção traz exemplos da lingerie usada pelas mulheres da classe trabalhadora entre 1918 e 1950. A coleção da Hodson Shop é considerada uma das mais importantes coleções de roupas da classe trabalhadora do início do século 20 a ter sido recuperada na Inglaterra. Segundo Louise Harrison, do governo local de Walsall, a exposição "vai trazer uma visão cativante da mudança de estilos e preferências na lingerie nos últimos 500 anos e ajudar as pessoas a apreciarem os modelos pioneiros das peças". A exposição Knickers! 500 years of Underwear abre para o público no dia 26 de janeiro no Walsall Museum, em Walsall, no centro-oeste da Inglaterra, e fica aberta até o dia 7 de junho. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.