A. C Junior/Divulgação
A. C Junior/Divulgação

Moscovis a 180 graus

O ator é o protagonista de filme de Eduardo Vaisman que fala de triângulo amoroso e estreia hoje

Luiz Carlos Merten, O Estado de S.Paulo

16 de setembro de 2011 | 00h00

Eduardo (Du) Moscovis corre contra o tempo. Ele busca um teatro para se apresentar em São Paulo. Não está sendo fácil. Nas próximas semanas, Du se instala no Teatro Frei Caneca, integrando o elenco do infantil O Menino Que Vendia Palavras. Mas ele está querendo justamente aproveitar a permanência em São Paulo - por cerca de três meses - para retomar o monólogo O Livro, de Newton Moreno. O problema está no conceito da montagem. A diretora (e amiga) Cristiane Jathay convenceu Du Moscovis de que é fundamental que, no desfecho, uma janela se abra no palco para mostrar a cidade. Prédios, movimento de carros, de transeuntes. Sem isso, O Livro não funciona. E quem disse que Du está encontrando o tal teatro?

Pode ser, para tristeza do ator, que a temporada paulistana de O Livro não se concretize, mas, além do infantil, ele está em 180°, de Eduardo Vaisman, que ganha hoje as telas da cidade. E em breve estará na Globo, integrando o elenco da minissérie Louco por Elas, que João Falcão escreveu para ele. Há tempos que os dois namoravam a parceria. Ela, finalmente, vai se concretizar. Louco por Elas é sobre um instrutor de futebol quarentão e as mulheres de sua vida.

Ele fica sem graça quando o definem como galã. Em geral, não se importa com o tamanho dos papéis. "Se o ator é bom, não existe papel pequeno", avalia. E Du sabe se colocar no elenco global. "Sei que tenho certa importância para a emissora porque, pelo meu tipo físico e outras particularidades, como a idade, eu posso transitar formando duplas com mulheres mais velhas ou mais jovens. Não somos muitos, assim, e isso me dá um certo status."

Sua última participação em novela já data de alguns anos, Alma Gêmea, de 2005. Embora não tenha aversão pela mídia, ele diz que aceita fazer o galã, acha legal: "Mas se virar depreciativo eu paro. Se for uma coisa pejorativa, é melhor desconstruir. Sou ator". Ele está bastante animado com 180º. O filme de Eduardo Vaisman conta a história de um triângulo amoroso. Possui elementos de narrativa policial, mas, para Du Moscovis, a motivação foi o personagem. "Desde que conversamos, não apenas ele, eu, mas a Malu Galli, o Felipe Abib, a motivação de todos foram os personagens. Espero que o público perceba isso".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.