MorumbiFashion: imagem estrangeira do Brasil

O Brasil está sendo reverenciado como nunca nas coleções do Morumbi Fashion Brasil. Só o que se fala pelos corredores são das curvas da Ana Claudia Michels, da beleza de Mariana Weickert ou da sensualidade de Gisele Bündchen. Nunca se ouviu tanto MPB, samba ou ritmos latinos na passarela. E de quebra, estampas e coloridos mil nas roupas. O Estadão.com.br foi perguntar a quem entende do assunto sobre esta explosão da brasilidade. Glória Kalil, consultora de moda e autora do manual de estilo Chic, disse sobre o assunto: "Eu acho que essa idéia não é brasileira. Isto veio de fora, o que estamos vendo são as tendências do verão passado europeu e americano, que seis meses depois estão aqui", afirma.Segundo ela, estamos assistindo a idéia de latinidade que o mundo tem de nós; é uma homenagem do Brasil feita pelos estrangeiros. Poucos, de acordo com Glorinha, conseguiram de desvincular destes clichês. Alexandre Herchcovitch foi um deles. "A moda dele não tem uma sujeição tão grande à latinidade", diz. A Forum, também, segundo ela, se distanciou das tendências e a G foi feliz na primeira parte de seu desfile. Já Fause, pretendeu fazer uma coleção do ponto de vista infantil. "E foi bem sucedido", ironiza Glorinha. Para ela, o Brasil está numa caminhada em busca da identidade mas desta vez avançou menos e ficou preso às tendências internacionais. "Este será um verão definitivamente pelado, com uma idéia de latinidade que existe desde os tempos de Hollywood: com muito babado, banana e brejeirice", afirma categoricamente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.